Pós-Graduação é difícil, pós-graduação sem bolsa é…

Alegria, passei no doutorado! Depois de meses de preparo, término de mestrado, entrega da versão final da dissertação, preparação de projeto, organização de currículo, tensão com a expectativa para as entrevistas, provas, choro, ranger de dentes…ops. Depois de muito trabalho finalmente a grande notícia em uma palavra mágica de 8 letras: APROVADO.

Começa o ano, matrícula feita e começam os planejamentos para começar a colocar em prática o seu projeto. A tese tem que ser feita, e para isso há necessidade de que se comece a coleta de dados.

Delineamento amostral, identificação do local de coleta, metodologia traçada, hora de colocar a mão no bolso e começar a comprar os materiais, que por sinal não são tão caros.

Hora de juntar o dinheiro.

Problema a ser resolvido: Dinheiro para o material.

A Pós-Graduação se manifesta dizendo que não tem dinheiro, o laboratório também.

Solução: Utilizar o dinheiro da bolsa de estudos para comprar o material.

Valor total do material: 5 mil reais.

Com uma bolsa de 2.200, posso comprar o material, parcelar em 10 vezes e assim começar a minha pesquisa.

E lá vamos mais uma vez custear uma pesquisa com o dinheiro que deveria ser manutenção do aluno.

Ai aparece o grande problema, dois meses depois de matriculado, o programa de pós-graduação informa que não haverá bolsas para nenhum dos alunos egressos no ano d e2014. E como o programa só conta com 4 cotas, se a CAPES não resolver aumentar isso, esses alunos somente receberão a bolsa quando os 4 primeiros terminarem.

Então este é aquele momento em que você está matriculado no doutorado, e não quer perder sua vaga, abriu mão de empregos, já que (teoricamente) a bolsa era garantida, e precisa custear 100% da sua pesquisa. O que fazer?

1. Sair gritando desesperadamente para tentar conseguir ajudar de algum bondoso bem feitor que decida lhe disponibilizar capital para sua pesquisa e um auxílio de custo.

2. Buscar incentivos em programas de fomento à pesquisa. É uma boa opção, visto a dificuldade de encontrar programas que aceitem propostas de mestres, ou alunos de doutorado, na maioria das vezes só será possível se seu orientador enviar uma proposta. Mas o que acontece se seu orientador já estiver envolvido em outra proposta, e não haja a possibilidade de enviar seu projeto? Até agora continuamos sem solução, quem sabe a próxima opção…

3. Buscar na universidade opções de bolsas, quem sabe um REUNI, ou tentar fazer com que seu orientador envie um projeto ao Edital Universal do CNPQ… Problema é que todos sabem a dificuldade de aprovar um projeto desses. Quem sabe um Programa Estadual de fomento a Pesquisa? Boa, a não ser pelo fato que o FAPESQ do meu Estado não conta com um programa pala alunos de doutorado, somente um DCR para doutores.

4. Espera.

Fui obrigado a escolher a quarta opção e ver o que vai acontecer, enquanto isso levar a pesquisa com o que puder. Afinal, não me dão dinheiro, mas me dão prazos e metas.

Texto enviado por : José Ribamar de Farias Lima, Graduado e Licenciado em Biologia pela Universidade Estadual da Paraíba, Mestre em Ecologia e Monitoramento Ambiental pela Universidade Federal da Paraíba e aluno de doutorado do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente na Universidade Federal da Paraíba, estudo adaptação de comunidades tradicionais às mudanças climáticas.

By |2018-12-06T01:56:22+00:0016-05-2014|debates|20 Comments

About the Author:

O posgraduando.com é um espaço na internet para troca de experiências, opiniões, depoimentos, dicas, tutoriais, humor e debates saudáveis sobre o meio acadêmico. Para participar também, leia nossas instruções aos colaboradores.

20 Comments

  1. Daniel Mendes 16.05.14 at 11:40 - Reply

    poutz! estou no último ano do meu doutorado e o fiz inteiramente sem bolsa. trabalhar concomitantemente ao curso é péssimo!!!

  2. Joelson Onofre 16.05.14 at 12:11 - Reply

    É a treva

  3. Ka 16.05.14 at 12:24 - Reply

    E na minha universidade que todos tem que reconcorrer a bolsa todos os anos.
    Ou seja, se tu largou tudo pra fazer a pós e no primeiro ano ganhou bolsa nada garante que no próximo ano você ainda terá financiamento dos seus estudos.

  4. Cleyton Souza 16.05.14 at 12:26 - Reply

    fiz seleção de doutorado ano passado, e passei em segundo junto com outros 15, quando me matriculei, só havia duas bolsas disponíveis. Graças a Deus uma foi minha!

  5. Me identifiquei muito, entrei no doutorado esse ano e não tem nenhuma bolsa no programa. As quatro que têm estão ocupadas com a turma do ano passado =(

  6. Evelyn Rocha 16.05.14 at 13:04 - Reply

    E trabalhando 40 horas para pagar?????

  7. Elidio Guarçoni 16.05.14 at 13:29 - Reply

    O meu foi sem bolsa, sem projeto. Só Eu sei como consegui.

  8. Luiz Henrique Xavier 16.05.14 at 15:43 - Reply

    Ahahahahahahahhahaah, meu Deus parece a minha situação tudo o txto todo fui lembrando da minha trajetória, ahahahahha tem que rir para não chorar!!!

  9. Fernando Dias 16.05.14 at 17:56 - Reply

    É Ph.Da.

  10. Flavio Ferraz 16.05.14 at 20:49 - Reply

    E quem tiver a sorte de ter uma bolsa, guarde parte dela pro seu analista…

  11. Angélica 16.05.14 at 21:11 - Reply

    Estou na mesma situação. Escolhi a opção 4 também. E então você escuta “Mas você só estuda? Não trabalha? E ainda não ganha nada com isso?”

  12. Adriana Leal 16.05.14 at 21:46 - Reply

    Só sabe mesmo quem passa por isso. Dar conta de trabalho e estudo a nível de mestrado e doutorado não é fácil não.

  13. Talita Ribas 22.05.14 at 21:37 - Reply

    Estou nesta situação. É muito complicado, revoltante até, vc é aprovado, recusa ofertas de emprego, pois a bolsa era “garantida”. So quem passa por isso sabe o quanto tudo isto custa. Do ponto de vista emocional, financeiro, em relação a sua vida, que é dedicada quase que exclusivamente a pós graduação. A ironia é que a minha pós acabou de passar para o nível 6 da CAPES, todos achamos que as bolsas viriam, ledo engano. O MEC não mandou nenhuma gratificação pelo aumento de nível, nem em forma de bolsas, nem em forma de outro tipo de custeio.
    Minha opção e de meus colegas: 4- Espera.

  14. PatyNunes 09.06.14 at 12:39 - Reply

    Pessoal, me dêem uma ajuda: Se eu optar por fazer um mestrado sem bolsa (apesar dos pesares XD ) quais são os gastos que terei? O que é pago no mestrado?

    • Victor Caldas 10.06.14 at 03:14 - Reply

      Você tem todos os direitos que qualquer outro aluno de mestrado teria, exceto que não recebe a bolsa. Não há taxas a serem pagas em universidades públicas.

      • PatyNunes 10.06.14 at 19:17 - Reply

        E quanto ao material de pesquisa? Se a pesquisa exigir a compra de algum material, como é financiado pra quem não tem bolsa?

        • Victor Caldas 11.06.14 at 04:13 - Reply

          Até onde sei, não cabe ao aluno dispender resursos para compra de material de pesquisa. Isso é papel do laboratório e/ou departamento. Só que não entenda isso como “posso comprar o que for necessário para minha pesquisa quando quiser”. O planejamento do projeto, que deve ser acordado antes do começo com o orientador, já te dará uma visão geral do que precisa ser comprado. Sem falar que nessas horas, colaborar com outros grupos minimiza custos.

  15. Júlia Maria 20.08.14 at 11:39 - Reply

    Estou vivendo a mesma situação e com um plus: meu departamento aderiu à greve na universidade. Pode chorar enquanto procuro alternativas outras?

  16. Leilane 12.01.16 at 10:45 - Reply

    O que fazer quando se passa no doutorado com bolsa, mas logo na primeira disciplina, o professor da mesma, te reprova para favorecer os alunos dele que se encontram na lista de espera por bolsa?? Esse mesmo professor não aceita revisão de nota e entrega as notas no dia que entra de férias?? O que fazer perante tanta falta de ética?? Chorar??? Existe algum lugar ou alguém que possa fazer essa denúncia?? A quem recorro?? E como contínuo o doutorado??

Leave A Comment