• produtividade

Como devemos gerir as experiências e escrever os artigos para publicação?

Ao decidirmos seguir a carreira científica, primeiramente, a Iniciação Científica, nos deparamos com um dilema que no decorrer do tempo será percebido por nós.

Já sabem o que é?

Para alguns a resposta será bem fácil, para outros nem tanto.

Bom, logo vos digo: primeiramente, realizar as experiências (parte prática) e depois os manuscritos (os tão temidos manuscritos)!

A discussão que gostaria de propor é justamente dentro deste contexto: como devemos gerir as nossas experiências e escrever os manuscritos para publicação?

Aprendi no decorrer do tempo que é preciso uma ordem, mesmo que a pressão por publicar esteja a nos perseguir dia-a-dia.

Em um mundo perfeito, deveríamos trabalhar da seguinte maneira: pensar a experiência, executá-la e, por fim, escrever o artigo científico, prepará-lo para a publicação.

Mas, sabemos que isso não existe, não vivemos em um mundo perfeito, porém, podemos tentar torná-lo algo mais agradável e menos estressante.

O que eu quero dizer com isso?

Quero dizer que devemos realizar um número determinado de experiências e, sem seguida, iniciar a escrita destes trabalhos.

No decorrer da minha carreira acadêmica, achei que seria possível planejar, executar e escrever, sempre uma após a outra, no entanto, isso não aconteceu.

Aí vem a questão: resultados sem fim e com o tempo a correr, colegas precisando de publicações para ajudar em processos de seleção de mestrado e/ou doutorado.

Enfim, acho fundamental, sempre pensarmos bem a ordem das coisas.

É admirável aquele pesquisador que realiza imensas experiências, mas não conseguir publicá-las brevemente, acaba por deixar toda a equipe “parada”, ou seja, na esperança de que algum trabalho seja concluído, submetido e publicado.

Bom, neste contexto, também, penso que seja sempre importante, iniciar novos projetos em cada uma das etapas, isto é, iniciação científica, mestrado e doutorado, sempre com novos trabalhos, e não o que é visto em algumas situações – trabalhos de mestrado ou parte dele sendo usado no doutorado.

Peço desculpas, mas não penso que as ideias sejam tão escassas a ponto de se usar parte de uma investigação para processos posteriores.

Cada novo projeto resulta em novos desafios, em um novo “aos poucos e sempre”. Isso com toda a certeza será importante para sempre encerrarmos um ciclo: fazer, escrever e publicar.

Outra questão importante e que deve ser levada em consideração: você pode pensar inúmeras pesquisas, mas não seja egoísta, divida as tarefas, dê para alguém realizar a parte prática e, por que não, também, a parte escrita?

Você pode revisar o trabalho, pode ir como coautor, enfim, estes detalhes podem ser acertados depois.

O importante é despachar logo estes dados.

Atenção, não estou a dizer que devemos acelerar as publicações e nem que sou a favor desta pressão maluca por publicações; apenas quero que paremos para pensar em uma ordem mais proveitosa para todos e que sejamos sempre muito criativos nos projetos que iremos fazer.

Proponho, também, que tenhamos um coringa na manga, ou seja, podemos elaborar projetos que não estejam dentro da ideia de publicação acelerada; sabem por quê?

Simplesmente porque trabalhos feitos com calma e com os mínimos detalhes pensados nos permitem publicar em periódicos de alto impacto, ou seja, melhor qualidade de nossas publicações.

Mas, vejam lá: periódicos de alto impacto nem sempre podem indicar que o trabalho seja de tão alta qualidade.

Ou vocês acham que sim?

Em minha modesta opinião, posso dizer que: isso é uma questão complexa que poderemos falar em outro momento.

Pesquisas sem fim, publicações paradas, pressão por publicações, arquivos de dados entre outras coisas tem prejudicado bons pesquisadores e tem feito com que outros promissores tenham de deixar a ciência.

O “aos poucos ou tudo ao mesmo tempo”, nos leva a outro fator extremamente importante: as colaborações científicas, entre diferentes grupos de pesquisa, independentemente de estarem na mesma instituição ou não.

Aproveito para deixar esta questão para reflexão: você acha fundamental a criação de colaborações científicas?

Até que ponto elas são vantajosas?

Pense e vá à busca de respostas.

Em meio as atuais crises temos que parar para pensar em como vamos “sobreviver” a isso, sem perdermos grandes talentos científicos.

E a manutenção de boas publicações se torna uma alternativa, principalmente, se tem em tua equipe um(a) aluno(a) dedicado e que quer seguir neste caminho.

Há tantos fatores que interferem em todo este processo.

Que fique claro, apenas defendo que a pesquisa seja feita de maneira saudável, onde todas as experiências feitas tenham os seus resultados, o mais brevemente possível, publicados.

Afinal, você aí que tem orientados: já parou para pensar que aquele um milhão de dados que você tem poderiam ter sido o diferencial do teu aluno, ou melhor, agora ex-aluno que perdeu uma oportunidade devido a falta de uma simples publicação?

Volto a ressaltar: faça acontecer!

E outra, nisso tudo os pós-doutorandos tem de “puxar a frente”, devem ser pró-ativos, ajudar com que as publicações aconteçam.

Mais uma: orientadores, “puxem a orelha de seus pós-doutorandos”, eles devem ser preparados para serem futuros/grandes pesquisadores e quando mais lhes for exigido nesta etapa melhor.

Já faço uma chamada futura: o papel do pós-doutorando no grupo de pesquisa! O que poderia, realmente, acontecer.

Mas, pronto, voltemos a nossa conversa.

Já devem ter ouvido o seguinte ditado: “o verdadeiro mestre é aquele que é superado pelo discípulo”.

Mestres que se negam a ver que o seu discípulo é tão bom, senão melhor que eles não faltam.

Por favor, meus caros, deixem este ego de lado e se orgulhem de formarem grandes curiosos da ciência, grandes pesquisadores.

É fundamental a formação de uma nova geração de cientistas tão crítica quanto a atual.

Por fim, deixo a seguinte mensagem: por mais difícil que seja, planeje, execute e escreva. Se o tempo “apertar”, divida tarefas, mas faça!

É preciso que as coisas aconteçam não em um ritmo louco, mas dentro de um tempo saudável e que possa ajudar em imenso, principalmente, aos novos, aqueles que estão iniciando uma carreira científica e que precisam destas contribuições.

A ciência é feita de dedicação e amor ao que se faz: faça dela o teu hobby, algo satisfatório e divulgue o que encontrares.

Texto escrito por Alexssandro G. Becker, pós-doutorando do Centro de Ciências do Mar, Universidade do Algarve (Portugal), bolsista da Fundação para a Ciência e a Tecnologia de Portugal e autor do blog BrandoBe.

By |2018-12-06T01:56:14+00:0022-11-2015|debates|11 Comments

About the Author:

O posgraduando.com é um espaço na internet para troca de experiências, opiniões, depoimentos, dicas, tutoriais, humor e debates saudáveis sobre o meio acadêmico. Para participar também, leia nossas instruções aos colaboradores.

11 Comments

  1. Alvaro Sousa 22.11.15 at 18:09 - Reply

    Concordo Plenamente! Desde a minha primeira Iniciação cientifica que eu já entendia a necessidade de transformar os meus achados em, no mínimo, comunicação para a comunidade científica. Como aluno, ainda da graduação busquei montar uma equipe com mais 2 colega e “despachar” nossos achados. O Resultado foi que ainda não terminei a minha graduação e já possuo 18 artigos publicados e 5 aceites. Claro, nem todos em revistas de alto impacto, mas já tenho submissões em Revista internacional (2ª no ranking mundial da área), e pesquisas multicêntricas realizada em todo o Nordeste com 4.000 participantes. Isto, por que quando se publica, sempre se quer mais… Agora é hora de internacionalizar minhas produções e é isso que to fazendo! Enfim, “fazer, escrever e publicar”.

    • Alexssandro Becker 29.02.16 at 19:02 - Reply

      Parabéns Alvaro Sousa,
      Concordo contigo …. é este mesmo o caminho … sempre em frente e em busca de colaborações! Abraços e sucesso! Tens um belo caminho pela frente!

  2. Julia De Carvalho 22.11.15 at 20:37 - Reply

    Já desisti da experiência, fiquei só com a parte do “pra publicação”

    • Alexssandro Becker 29.02.16 at 19:08 - Reply

      Olá Julia,
      Pois é, eu te entendo! Há momentos da carreira em que já não damos conta de fazer a parte prática e, ainda, a teórica … temos de escolher. Abraços e desejos de bons trabalhos!

  3. Hanniel Freitas 22.11.15 at 20:59 - Reply

    O mais importante é ter dados para despachar :'(

    • Alexssandro Becker 29.02.16 at 19:12 - Reply

      Olá Hanniel,

      Concordo contigo, também, não podemos ficar parados. De qualquer forma, se pudermos ter um grande número de dados e ir despachando aqueles que são fundamentais para os alunos que estão em busca de uma vaga em um doutoramento ou mestrado isso seria muito bom para todos! Abraços e desejos de ótimos trabalhos!

  4. Fernando Garcia 22.11.15 at 21:01 - Reply

    Uma das melhores publicações desta página.

  5. Maria Fernanda 26.11.15 at 18:45 - Reply

    Excelente!

  6. Naira Costa 12.05.16 at 18:49 - Reply

    Parabéns pelo texto! Concordo em vários pontos. Os resultados dos nossos trabalhos precisam sim ser divulgados mas acredito que essa super valorização da quantidade de publicações é um dos maiores problemas de “produzir ciência” atualmente. Além disso, por haver uma preferência por publicar em revistas de alto impacto, principalmente por pesquisadores mais experientes que já possuem um alto número de publicações, hoje tenho um artigo pronto da iniciação científica, um do TCC e um dos capítulos da dissertação até traduzido…nada publicado. Para um estudante, que ainda está começando na pesquisa, ter uma publicação faz muita diferença, mesmo não sendo em uma revista A. Mas infelizmente há muita preocupação com os interesses pessoais também, como em todos os meios. Por essas razões (e outras) tenho pensado muito se continuo ou não na carreira acadêmica.

Leave A Comment