Qual a primeira palavra (com rima) que vem a sua cabeça quando se fala em pós-graduação?

Posso apostar que se você for da turma do stricto sensu você pensou em Depressão. Aposto também que se você está nessa fase, a expressão “quem nunca?!”, nunca foi tão válida! Acertei?

Bem-vindo ao clube! Apenas com minhas observações empíricas, ou seja, sem procurar “estatísticas oficiais”, percebo que entre os meus colegas pos-graduandos oito em cada dez tiveram sintomas depressivos ou alguém nível de depressão no mestrado e/ou doutorado.

Isso me preocupa. E as vezes ocupa também. Muitas vezes observo as sérias consequências que essa fase na vida de muitas pessoas, que se frustram terrivelmente ou replicam hábitos ao mudar de posição de orientado para carrasco orientador .

Para mim, a depressão (e suas variantes) é um fenômeno tão sério dentro dos programas de pós-graduação que o departamento de psicologia está perdendo a oportunidade de desenvolver teses sobre isso. Por mais irônico que isso possa parecer. Os órgãos de fomento também deveriam começar a considerar uma “bolsa terapia” por que se algumas profissões são prejudicadas quando entramos na pós-graduação, os psicólogos e psiquiatras não são.

O pior é a desinformação de quem passa pelo processo ou vê alguém nele. A depressão é algo tão típico comum a pós-graduação quanto sonhar com a banca em véspera da defesa. A explicação é relativamente simples: uma combinação de cobrança excessiva (externa e interna), expectativa, frustração, ansiedade, raiva, decepção e outros sentimentos recolhidos, além da jornada de trabalho árdua, ausência de férias regulares, má alimentação, imaturidade, sedentarismo e preocupação.

Depressão tem tratamento, gente! Vai ficar ai sofrendo quando você deveria poderia estar bem? A terapia é algo extraordinário. Um momento seu, para crescer, fazer as pazes com o passado e ver a real dimensão dessa fase e do seu orientador. Terapia só não resolveu e você tem que ir ao psiquiatra? Vá, meu filho! “E não olhe para trás” Por que o drama? Se você, em pleno século XXI acha que essa especialidade médica “só trata de doido”, ai mesmo é que você precisa de um terapeuta! Aperta o F5 aí nos seus conceitos.

Além de tudo isso, ou melhor, sobretudo, busque o equilíbrio. Conheço muitos casos que as pessoas tomaram rotas alternativas para sair do processo depressivo. Em todo caso, a pós-graduação, embora digam o contrário, é um trabalho, uma fase (curta) da sua vida. Temos nesse tempo uma grande oportunidade de aprendizado pessoal e profissional.

Quando nós superamos a fase de sofrimento e mimimi reclamação e procuramos auxílio para sair desse ciclo (sentimentos mal resolvidos, cobrança, expectativa e frustração), podemos ver que a pós-graduação rima mesmo é com SUPERAÇÃO.