Estamos sempre com pressa.

Sim, eu sei, você que faz pós-graduação, imagino a sua correria. Mas é que hoje não temos tempo para nada. Agenda, compromissos, nossos dias tem sido intensos. Não ouse você, caro internauta, dizer que sua vida está tranquila! Ora, as argumentações de que “hoje não posso”, “não sei o que fazer primeiro”, “estou dormindo pouco”, são constantes.

Mas, não é na questão de agenda lotada que pretendo escrever. Quero dialogar, expressar a minha opinião sobre: “porque não temos mais tempo”, e essas circunstâncias sim, me deixam inquieta.

Trago algumas reflexões, opa, não sou totalmente Zen, mas quero compartilhar de coisas simples, que percebo de amigos que estudam assim como você e eu. A questão é que não olhamos mais no olho, não jantamos sem nossos celulares, não saímos mais como antes. Não lemos mais como antes, e não sabemos mais descansar. Não tomamos café tranquilo, e não telefonamos para saber como o amigo está. E você me responde: é óbvio, não temos tempo!

A pressa e o pouco tempo disponível tem feito de nós seres humanos, máquinas.

Máquinas que acordam e que vão trabalhar ou estudar, que comem e depois retornam para casa dormir e acessam suas redes sociais para dizem que está tudo ok, a máquina está funcionando.

Máquinas automáticas. O botão foi apertado, e não sabemos como parar. Que coisa heim!

Esses dias, pedi uma sugestão por e-mail para uma amiga que mora longe, ela foi me retornar semanas depois e pediu desculpas, mas que estava com a agenda cheia, muitos compromissos, leituras, jantas, conferências, trabalho, estudo. Nosssssa fiquei até com ciúme de tal ocupação. Refleti, e quase me senti uma inútil perto da agenda dessa minha amiga.

Porque, eu ainda consigo dormir sete horas, trabalhar mais oito, almoçar com os amigos, namorar, estudar, ler, sair, tomar um chopp, escrever, fazer um carinho no meu gato, olhar até uma cena de novela, arrumar a casa, caminhar, passear, fazer uma janta. Nossa, fico feliz com tudo que consigo fazer, sem deixar de lado as amizades e pessoas que amo, e deixo bem claro: nessas horas é preciso muita organização!!!

Esse simples texto parece bobo, mas quero alertar a vocês leitores: não sejamos máquinas automáticas, por favor, há muito tempo pela frente, vamos sorrir mais, contemplar as coisas simples, de mais atenção para as pessoas ao lado, e mais amor, por favor!