Vergonha parcelada na Pós-Graduação

Gregório Duvivier, em sua coluna semanal na Folha de São Paulo, descreveu muito bem um sentimento que me acomete há tempos: a vergonha parcelada. O termo se refere à constante lembrança de fatos ridículos e embaraçosos do passado, que ainda trazem desconforto e um certo sofrimento, ou seja, fatos dos quais teremos eterna vergonha.

Na Pós-Graduação, ambiente genuíno de “micos”, aprendizagem e superação, fatos embaraçosos acontecem com elevada frequência. Como aquela vez em que você perdeu um material importante em campo, e fez todo mundo perder a viagem; aquele nome científico errado que você disse (misturando reinos); aquele slide em branco que você esqueceu no meio da apresentação e na hora “H” ficou sem saber o que dizer, ou animações nos slides com as quais você se desentendeu na hora de apresentar (nota mental: parar de usar animações).

Aquela vez em que você não estava preparado para opinar sobre um artigo e sua opinião foi solicitada em público e você tentou improvisar algo; ou aquela piada “técnica” que ninguém entendeu e você pareceu um lunático e inspirou pena nos colegas (não raramente essas piadas ao invés de risos são acompanhadas por comentários do tipo “você tá precisando de férias, amigão!”).

Não para por aí! Lembra aquela vez que você “descobriu” algo revolucionário na sua pesquisa e quando contou para os colegas, eles conseguiram lembrar de pelo menos 2389×10^5 trabalhos dizendo a mesma coisa e você, que achava que tinha feito uma baita revisão de literatura, se sente muito mal?

Aquela interpretação errada que você fez de um artigo e alguém precisou cravar aquele punhal do “acho que você entendeu errado” na sua inocência; aquela vez que você mandou um e-mail errado sem querer para seu orientador (“gente, socialzinho hoje depois do expediente?”); aquela vez que você mandou um arquivo errado sem querer para esse mesmo orientador (fotoparaperfil.jpg); aquela vez que você esqueceu (consecutivas vezes) de anexar um arquivo em um email para esse mesmo orientador (e começa a se perguntar se ele te considera apto para Pós-Graduação).

Aquela vez que seu supervisor no exterior te perguntou uma coisa e você entendeu outra totalmente diferente e ele riu com certo dó de você; aquele artigo crucial que você não leu e só te contam na banca; e aquela vez que que você falou em alto e bom som “no meu Word não tem essa ferramenta” e, claro, todo Word tem essa ferramenta.

Mas poucas vergonhas no mundo são maiores que aquela que você sentiu quando seu orientador chegou de surpresa no lab, juntamente com outros pesquisadores que você super admira e você estava no Facebook / Youtube / Site de Receitas / Horóscopo / Site de Compras, navegando em sites não-acadêmicos, e você tenta clicar rapidamente em outra aba do navegador mas erra (e piora as coisas) ou aquela vez que você tem oportunidade, em um congresso ou coisa do tipo, de falar com um profissional que é um ídolo para você e você fica subitamente super tímido e sua capacidade de comunicar e de se fazer entender vai a zero e você diz coisas do tipo “mim Marcela, mim admirar você, mim trabalha coisa parecida você” (Ai, essa é ferida aberta! Essa dói!).

Ou, a melancolia e embaraço que sentimos quando lembramos daquele comentário exacerbado que fizemos em uma reunião quando estávamos cansados e que acabou tendo consequências muito maiores do que imaginávamos e rompendo laços (perdão!?).

Enfim, coisas que dão aquele frio da espinha só de pensar.

Todas essas ocasiões servem para nos lembrar do quão humano é o dia-a-dia dessa dita “elite intelectual” a qual pertencemos, de quão humanos somos e que os títulos que temos/teremos nada mais são que formalidades. O processo até consegui-lo é sofrido e, ao mesmo tempo, precioso.

Assim como Gregório, que enquanto escrevia sua crônica precisou parar pra se lamentar sobre os fatos que expôs, eu estou quase explodindo de vergonha aqui. Passei por todos!

Eitcha lelê!

Texto escrito por Marcela de Castro Nunes Santos Terra, engenheira florestal e doutoranda em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Lavras (UFLA).

By |2018-12-06T01:56:16+00:0007-09-2015|debates|27 Comments

About the Author:

O posgraduando.com é um espaço na internet para troca de experiências, opiniões, depoimentos, dicas, tutoriais, humor e debates saudáveis sobre o meio acadêmico. Para participar também, leia nossas instruções aos colaboradores.

27 Comments

  1. Paula Bigogno 07.09.15 at 08:54 - Reply

    Um dos melhores que li aqui. Reveses acontecem.

  2. Cicero Edinaldo 07.09.15 at 09:01 - Reply

    Vergonha parcelada e aumentando em 3, 2… <3

  3. Alberto Galdino 07.09.15 at 09:09 - Reply

    A de estar em sites do tipo FACEBOOK, Twitter, BuzzFeed Brasil etc, justamente na hora que o orientador chega e não ter como sair é classicoooo :v haha

  4. Marcos Basso 07.09.15 at 09:46 - Reply

    Parei de ler no Gregório Duvivier..

  5. Liane Ferez 07.09.15 at 10:12 - Reply

    Mariana Lessa prepare-se para mais do mesmo! ???

  6. Herbson Ribeiro 07.09.15 at 10:21 - Reply

    nada pior que vc tá na sala do orientador e ele chega (sem bater é claro) e te pega vendo jogo da champions league.

  7. Claudia 07.09.15 at 11:11 - Reply

    Ui…. tão eu, na parte, socializando material com o orientador kkkkkkk

  8. Joyce de Almeida Alves 07.09.15 at 11:38 - Reply

    Ameiiiiii, quem nunca?!

  9. Passei por alguns desses casos e outros nem tanto, mas é bom d+ lembrar o quanto erramos e o quanto aprendemos com isso…

  10. Edjane Santos 07.09.15 at 12:05 - Reply

    Como por exemplo: uma pessoa sair pra passar o dia com a equipe no campo com uma mochila enorme e na hora da fome lembrar que esqueceu todo o lanche no hotel! Aff, vontade de bater… Não é Charlene Rodrigues?!

  11. Verônica Freitas 07.09.15 at 13:01 - Reply

    Cara a parte do inglês é a pior! 😀

  12. Shirlenne Ferreira 07.09.15 at 14:22 - Reply

    Só relembrando o que já passei e continuo passando, rsrsr.

  13. Gregory Vinicius 07.09.15 at 17:50 - Reply

    “Mas, poucas vergonhas no mundo são maiores do aquela que você sentiu aquela vez que seu orientador chegou de surpresa no lab, juntamente com outros pesquisadores que você super admira e você estava no Facebook / Youtube / Site de Receitas / Horóscopo / Site de Compras, navegando em sites não-acadêmicos e você tenta clicar rapidamente em outra aba do navegador mas erra (e piora as coisas).” Maior verdade kkkkkkkkkkkkkkk

  14. angeli rose 13.09.15 at 21:18 - Reply

    Sem problemas,afinal, nada disso vai pesar na vida profissional, né?

  15. Paty 20.11.15 at 11:28 - Reply

    Hahahaha! Ri muito! Adorei… e também recordei 😡

  16. Elias de Sá Farias 15.08.16 at 08:39 - Reply

    Marcela,

    Me deliciei lendo e rindo muito, porque me identifico com quase tudo o que disse (exceto a parte da colaboração internacional, rsrs) e acrescento que essas histórias vamos levar pra vida e rir daqui a muitos anos…
    Como fazemos com as histórias da graduação (quantos micos, rsrs).

    Abração!!
    Além de te admirar como pesquisadora, acrescento meu respeito a você como escritora. 🙂

Leave A Comment