O que exatamente é um doutorado?

Todo ano eu explico para um novo grupo de pós-graduandos o que é um doutorado.

Mas é difícil descrever em palavras.

Então, eu uso figuras.

Veja abaixo o guia ilustrado que eu utilizo para explicar exatamente o que é um doutorado.

Imagine um círculo que contém todo o conhecimento humano:

Quando você completa o ensino básico, você sabe um pouco:

Quando você completa o ensino médio, sabe um pouquinho mais:

Com uma graduação, você sabe um pouco mais e ganha uma especialização:

Um mestrado te aprofunda naquela especialização:

Ler e estudar teses te leva cada vez mais em direção ao limite do conhecimento humano naquela área:

Quando você chega lá, você se foca:

Você tenta ultrapassar os limites por alguns anos:

Até que um dia os limites cedem:

Este pequeno calombinho de conhecimento que ultrapassou os limites é chamado de doutorado (Ph.D.):

Mas é claro que na sua visão de mundo fica diferente:

Mas não esqueça da dimensão das coisas:

Continue ultrapassando os limites.

Fonte: Por Matt Might, disponível em The Illustrated Guide to a Ph.D.

Gostaria de expressar meus agradecimentos aos vários leitores que fizeram a sugestão deste post. Entretanto, o sumiço das citações ao @posgraduando no Twitter me impossibilita de nomear os mesmos.

By |2018-12-06T01:56:54+00:0001-09-2010|debates|62 Comments

About the Author:

Criador e editor de conteúdo do blog, é portador de uma imaginação hiperativa e de uma necessidade patológica de estar sempre bem-humorado. Acredita que a Pós-Graduação, como tudo na vida, pode ser interessante, divertida e descomplicada.

62 Comments

  1. Alcione 01.09.10 at 10:12 - Reply

    Muito legal essa ilustração!

  2. Vitor Rubio 01.09.10 at 12:37 - Reply

    Embora esse post esteja sob a tag “humor”, quando eu li eu concordei, como se fosse uma verdade absoluta que eu já conhecesse.

  3. Magno 01.09.10 at 19:46 - Reply

    Muito bacana e real… pensei que era uma piadinha, mas de fato é assim mesmo que a gente se encara com esta explosão de conhecimentos.
    abraço

  4. paulo 15.01.11 at 15:15 - Reply

    Eu gosto de acompanhar o pos-graduando pois apesar de ser regado de humor tem sempre um toque de verdade (provável que seja pela experiência na academia). Esse post é bem humorado e tem um toque de verdade, porém eu discordo que seja apenas isso. Se tu consegues formular uma hipótese resumindo teu doutorado, óbvio que no final das contas a tua resposta será algo como esse pitoquinho da figura. Pequena diante o todo. Mas em áreas como a minha (Eng.) a metodologia vai além desse formato linear até o objetivo. Acabamos sempre abordando vários outros campos e consegue-se assim preencher mais esse círculo. Claro que há no final das contas sempre há uma certa tendência a algum objetivo (por isso que viramos especialistas em um assunto).
    Não sei se concordam.

    • Francisco Júnior 28.05.13 at 21:36 - Reply

      Não concordo. Também faço doutorado em engenharia, mas acho que a ilustração é interessante. Os outros campos aos quais você se refere formam o caminho até a borda e não ao preenchimento do restante do círculo. Essa parte fica para os profissionais de outras áreas. Lembre-se que o círculo corresponde a todo o conhecimento humano.

  5. Cassiano Rosa 15.01.11 at 15:30 - Reply

    É a mais pura realidade. Mas…
    Pensando direito na “charge”, e admitindo que seja a mais pura verdade.
    Se o Brasil forma 10.000 doutores por ano, e se cada Doutor contribui com sua parcela (por menor que seja). Esse círculo do conhecimento humano está sempre se expandindo.
    Então acho que estamos no caminho…

  6. Tomaz Tejano 15.01.11 at 17:14 - Reply

    Muito boa a ilustração, pois de fato ninguém vê importância no trabalho de pesquisa de algum ph.d. Pra gente fica parecendo que mudamos a humanidade, mas o resultado normalmente é tão específico que passa despercebido..rs

  7. Arthur 26.09.11 at 13:43 - Reply

    Muito bom, acho q é isso mesmo!
    Cassiano são 10.000 doutores por ano no Brasil?? Caramba não sabia, pra mim era muito menos. tem certeza disso? E acho q ilustração se refere ao conhecimento pessoal do Doutor, Cassiano. Nao acho q está dizendo sobre o conhecimento humano em geral, se fosse sobre o conhecimento humano realmente a ilustração estaria errada, mas ela é específica do conhecimento do Doutor, então está certíssima. Paulo, eu entendo sua colocação, estudamos tanto tanto tanto que nos recusamos a pensar que é tão pouco. Mas infelizmente o conhecimento acadêmico em sua maior parte não passa de armazenamento na memória. Poucos são realmente cientistas, a maioria são apenas intelectuais. E mesmo a maioria dos cientistas abordam “um objeto”, abarcar todo o conhecimento humano é explodir o HD.

  8. Juliano 26.09.11 at 16:35 - Reply

    Sim, essa é a realidade, mas é de calombinho em calombinho, para todos os lados, que o conhecimento humano vem crescendo a cada dia e cada vez mais.
    Só o da visão que não acho que é certo, generalizou muito as coisas… há pessoas que se focam em um tema, principalmente para conseguirem trabalhos mais remunerados, mas que têm uma visão amplia e generalista.

  9. Carlos Nepomuceno 09.08.12 at 09:27 - Reply

    Pessoal,

    acho que essa é a visão que temos hoje…Eu – doutor – que não me ligo muito no fato de ser doutor, apesar da sociedade valorizar…poderia dizer que ao se estudar aquele problema micro lá de cima…tem duas formas…Ou você vai se especializando e acaba perdendo a noção do todo… e aí o gráfico é relevante.

    O que nos leva àquela frase: “Quem conhece só química, não conhece nem química”.Ou  você usa aquele problema para pensar todos os problemas, que é uma visão mais holística do conhecimento.

    A parte pelo todo, o todo pela parte – ou a parte e o todo integrados. Conhecer a parte é o todo e vice-versa.Ou seja, quando se estuda um problema, acaba se percebendo como as coisas mudam no geral e na verdade você passa a poder entender melhor todos os problemas.A ideia de baixar a bola de quem se acha, é bom e não só para doutores, para todos os seres do planeta, incluindo doutores,,,mas destaco que o modelo de especialização representa uma maneira de conhecer e não todas as maneiras de conhecer.Hoje, depois de minhas pesquisas (da qual o doutorado é apenas um pedacinho pequeno) me sinto muito mais conhecedor das coisas do mundo do que antes, além do tema que estudo que é as mudanças que a Internet traz ao mundo.É isso,Nepôwww.nepo.com.br

  10. Joâo Batista Kzam Gama 09.08.12 at 21:27 - Reply

    Um calombo dói e é parecido com um chifr, então devia ser “Dói-Tourado”rsrsrsrs
     

  11. Alexandreo 18.01.14 at 16:43 - Reply

    Muito interessante. Mas o gráfico (interno) ficou um tanto fálico. Ou sou com a mente (poluída) do ensino médio?

  12. dr sabe tudo 19.01.14 at 00:33 - Reply

    comentário tipico de um dr. eng. sabe tdo

  13. Cassio josé alves de sousa 19.01.14 at 06:43 - Reply

    Traduz a velha expressão:” quanto maus se sabe mais se vê que nada sabe”. Este calombinho, no Brasil, tem de fato, às vezes, o significado de dimensão mesmo. Infelizmente. Entristece-me ver o rumo que o governo deu ao objeto da pós-graduação. 10.0000 doutores por ano. Alguns Programas em 3 anos com visitas bimestrais. Enfim, vejo “doutores” formados aos 25 anos, que sequer sabem formular uma questão, redigir e executar seu projeto, nem mesmo tiveram experiencia com a academia. Ah! Saudade do tempo em que ficávamos 5 anos, tempo integral, com nossos orientadores, em escolas renomadas!!! estes, orientadores de fato, com alta capacidade intelectual. Ainda não existia o copy e cola. Mas é assim, criar muitos doutores, aumentar a produção intelectual do país, publicar trabalhos que nao dão trabalho, nem resultados que levem a produção de nada. Mas é Brasil!!!!!. Desculpem-me pelo desabafo. Nao generalizando, pois temos ótimos doutores por aí.

  14. Esther 20.01.14 at 08:17 - Reply

    Muito interessante o gráfico e concordo com o autor. Só reforçaria a ideia de que o doutorado é ao mesmo tempo ponto de chegada e partida para novos conhecimentos. A ideia é não sentar no título, pois a dinâmica do conhecimento exige mais conhecimento. Mais curiosidade…que gera novas perguntas.

  15. Danielle 20.01.14 at 16:56 - Reply

    Calombinho / Achei engraçado rs.

    Excelente ideia ilustrada =)

  16. Anita Santili do Carmo Grego 21.01.14 at 22:04 - Reply

    Gostei do calombinho, pois demonstra o quanto devemos ainda percorrer pra provocar um calombão.
    Creio que o doutorado e outros níveis de especialização despertam no pesquisador a conscientização da nossa incompletude e a vontade de saber sempre mais….

  17. Ricardo 01.02.14 at 16:11 - Reply

    Para se chegar a esse calombinho é como termos a sensação de estar carregando um piano o tempo todo….

  18. CAVALCANTE 17.03.15 at 01:12 - Reply

    Gostei, muito legal.
    Conforme você vai estudando o conhecimento vai afunilando e você ficará bom em uma única coisa….
    E vai… e vai… e vai… e vai…
    Até chegar lá.

  19. Rafael Moraes da Rosa 23.05.15 at 04:02 - Reply

    Lula tem 27 títulos de doutor, e ae????????

    • Romário 19.09.15 at 11:06 - Reply

      Num é atoa q o Lula é um cara foda. Parabéns pra ele!

  20. Carla Simone Castro 19.09.15 at 07:30 - Reply

    4 anos de insanidade, desespero, choro e resiliência. …mas ao final.. a sensação de que Você é phoda!

    • Tati GM 19.09.15 at 07:42 - Reply

      Exatamente! Só ainda não sei quanto ao final… ?

    • Everton Vale 19.09.15 at 08:32 - Reply

      Doido pra sentir essa sensação, principalmente o final rsrs..

    • Carla Simone Castro 19.09.15 at 10:29 - Reply

      A sensação dura segundos..logo a realidade de ser cientista no Brasil nos acorda. ..

    • Fernanda Rodrigues 19.09.15 at 12:51 - Reply

      Infelizmente essa realidade está drenando meu desejo de fazer doutorado. Não só o depois, mas também o durante. 48 meses vivendo só com uma bolsa de doutorado é tenso :S

  21. Mabia 19.09.15 at 07:32 - Reply

    Oi!

    No seu compartilhamento via tt não está o @. Só tem o link. Daí sugiro q vc coloque, q já vai automático 😉

  22. Saulo Almeida 19.09.15 at 07:50 - Reply

    Eu sempre tive esse desenho em mente! É por aí msm! 😉

  23. Aline Martins 19.09.15 at 07:50 - Reply

    Humildade! Muito legal!

  24. Paulo Assis 19.09.15 at 07:50 - Reply

    Um habilitador para o magistério de nível superior e um curso de formação em metodologia de pesquisa. E só isso. No Brasil, você vai reproduzir a pesquisa do seu orientador alterando, um pouco, o objeto e o referencial teórico. Só um pouco.

    • Genisselle Silva 19.09.15 at 20:03 - Reply

      Bem isso!

    • Jefferson 14.05.16 at 18:38 - Reply

      Não é bem assim, existem orientadores e orientadores, o meu foi fantástico e consegui desenvolver A MINHA pesquisa, com todo o apoio dele.

  25. Lilian Freitas 19.09.15 at 07:51 - Reply

    eu devia imprimir isso fazer cópias e distribuir com colegas que se acham d+, amigos e os parentes que acham que sei tudo.

  26. Leverson Chaves 19.09.15 at 07:53 - Reply

    Todos os “indivíduos” que têm a presunção de se achar maiores que os outros porque têm um papel de doutorado deveriam entender isso. Todos que acham que o tempo deles é mais importante que os dos outros, que supõem que podem se assentar em tronos existenciais e maltratar o próximo (seja ele quem for), deveriam entender isso. Extraordinária explicação. É apenas um ponto. Só isso. Precisamos uns dos outros na busca do conhecimento. E isso com toda humildade e respeito do mundo. E os deuses, que busquem um terapeuta para tratar sua estima baixa e loucuras existenciais. E que paremos de copiar esse doentio padrão.

    • Néia Castro Costa 19.09.15 at 08:33 - Reply

      Ótimo comentário. Um padrão comum, que precisa parar de ser copiado.

    • Leverson Chaves 19.09.15 at 08:40 - Reply

      O que deve nos mover é busca pelo conhecimento na construção de um mundo melhor. Devemos sim, nos orgulhar das nossas conquistas individuais, mas no âmbito geral, promover a igualdade, o respeito e o potencial de todos que optam pelo caminho da Ciência. =D

    • Alex Vazzoler 19.09.15 at 15:31 - Reply

      Como se não houvesse um bando de alunos vagabundos .. seja um bom aluno, você verá como será bem tratado !!

    • Alex Vazzoler 19.09.15 at 15:31 - Reply

      Bosta de utopia marxista-freiriana

    • Leverson Chaves 19.09.15 at 15:49 - Reply

      E o que define um bom aluno de um aluno vagabundo? Não sei dizer se a ideologia de Marx e Paulo Freire são utopias, mas respeito ao próximo, cordialidade e visão de comunidade se aprende em casa. Diploma não traz isso.

    • Leverson Chaves 19.09.15 at 15:49 - Reply

      E o que define um bom aluno de um aluno vagabundo? Einstein era péssimo aluno em algumas disciplinas. Clair Patterson não era um aluno brilhante. Esse último rejeitou investimentos imensos para sua pesquisa e denunciou que a gasolina estava contaminando o mundo com chumbo no passado (e foi ele quem descobriu a idade da Terra). Não sei dizer se a ideologia de Marx e Paulo Freire são utopias, mas respeito ao próximo, cordialidade e visão de comunidade se aprende em casa. Diploma não traz isso. De experiência própria, já vi alguns que não comem com alunos, ao contrário de uma senhorinha de cabelos brancos que serviu a todos os alunos, mesmo sendo uma das maiores em física de lagos do mundo.

  27. Elaine Osório 19.09.15 at 08:45 - Reply

    Nossa q texto perfeito! Mta gente ta precisando ler esse texto e colocar em prática!

  28. Willian Richter 19.09.15 at 11:20 - Reply

    É isso mesmo. Saber cada vez mais, sobre menos.

  29. Não façam. Arrumem emprego.
    Conselho de quem esta ferrado na vida.

  30. Jessica Andrade 19.09.15 at 12:42 - Reply

    Duas alegrias, uma quando entra e outra quando sai…

  31. Aline Veleda 19.09.15 at 13:17 - Reply

    Um título que vc precisa pra passar na universidade pública.

  32. Mariane Xavier 19.09.15 at 14:20 - Reply

    Essa ilustração é: se você acha que sua tese vai mudar o mundo, desista!! Kkkkk

  33. Ana Spadin 19.09.15 at 14:49 - Reply

    Vinicius Kmez
    Título alternativo: por que uma pessoa não deve se achar por ter um doutorado.

  34. Joana Junqueira 19.09.15 at 15:12 - Reply

    Muito bom! Cabe muito pra alguns egos…

  35. Alex Vazzoler 19.09.15 at 15:29 - Reply

    Estou a quase um ano e pouco nele e ainda não descobri 😛

    • Carlos 16.05.16 at 00:50 - Reply

      Depende muito em qual universidade realiza seu doutorado….faz um enorme diferencial!!!!

  36. Alecs 25.09.15 at 23:53 - Reply

    Sejam fortes amigos o que vocês descobrirem sobre a ciência hoje vai ecoar na eternidade. Peço que procurem descobrir somente coisas boas para a humanidade, para que não se arrependam como Einstein e Nobel e as suas bombas. Shalom….

  37. Flavia Alencar 26.09.15 at 16:05 - Reply

    Kkkkkkkkk, nunca vi alguém explicar isso tão bem. Ficou ótimo!

  38. Socorro Maciel 28.07.17 at 15:07 - Reply

    Muita criatividade!
    Tornou simples e acessivo a voos desprovidos de sensibilidade. Kkkkk

  39. Carlos 04.10.18 at 10:01 - Reply

    Lindo!
    Já havia visto e estava procurando há muito tempo.
    Tentarei criar um slide e talvez um gif animado e se ficar bacana posto aqui.

Leave A Comment