Se você está no mestrado ou doutorado, com certeza já ouviu falar da famosa “avaliação trienal da Capes”, que deixa professores, orientadores e coordenadores em rebuliço durante determinada época do ano. Mas nem todo pós-graduando sabe ao certo como funciona essa avaliação.

A avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu é realizada pela Capes – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – com o intuito de estabelecer um padrão de qualidade para os cursos de mestrado e de doutorado; e reconhecer os cursos que atendem a tal padrão.

Este sistema de avaliação abrange dois processos, conduzidos por comissões de consultores vinculados à instituições das diferentes regiões do país: a Avaliação dos Programas de Pós-graduação e a Avaliação das Propostas de Cursos Novos de Pós-graduação.

A Avaliação dos Programas de Pós-graduação compreende a realização do acompanhamento anual e da avaliação trienal do desempenho de todos os programas e cursos que integram o Sistema Nacional de Pós-graduação, SNPG. Os resultados desse processo, expressos pela atribuição de uma nota na escala de “1” a “7” fundamentam a deliberação CNE/MEC sobre quais cursos obterão a renovação de “reconhecimento” (nota superior a 3), a vigorar no triênio subseqüente.

A Avaliação das Propostas de Cursos Novos de Pós-graduação é parte do rito estabelecido para a admissão de novos programas e cursos ao Sistema Nacional de Pós-graduação, SNPG. Ao avaliar as propostas de cursos novos, a CAPES verifica a qualidade de tais propostas e se elas atendem ao padrão de qualidade requerido desse nível de formação e encaminha os resultados desse processo para, nos termos da legislação vigente, fundamentar a deliberação do CNE/MEC sobre o reconhecimento de tais cursos e sua incorporação ao SNPG.

Iria me estender mais sobre esse assunto, entretanto, encontrei uma entrevista com o Prof. Lívio Amaral – diretor de avaliação da Capes – para o programa NBR Entrevista, em que explica todo esse processo. Vale a pena conferir.