• Por que fazer Estágio docência?

Por que fazer estágio docência?

Para começar esse debate digo logo que observo que para a maioria dos cientistas formados por uma pós-graduação acadêmica o destino final é a Universidade. Portanto, tanto quanto publicar (publicar e publicar) será requerido ensinar. E estamos sendo formados quanto a isso? Ensinar deveria ser por vocação? Se no período de treinamento científico, houvesse uma oportunidade de reflexões e treinamento, poderíamos nos formar também como professores?

Eu tive oportunidade de vivenciar duas experiências diferentes, construtivas ao seu modo.

Quando estava no mestrado fiz um estágio voluntário, queria a experiência de licenciatura. Ali a política do estágio era o relacionamento direto estudante-professor, que traçava as metas e objetivos de estágio. E assim foi. Eu deveria cumprir algumas atividades simples e ministrar algumas aulas. No meu caso havia supervisão e discussão sobre a condução da aula e preparo do material (e sim, ele assistiu as minhas aulas e me deu um feedback depois). Mas isso não era comum.

Conheço mais casos de estudantes de estágio docência em várias universidades que assumiam as atividades docentes sem supervisão ou orientações mais profundas.

Antes que haja uma condenação dessa prática, penso que ela evidencia um problema dentro das Universidades, a sobrecarga de trabalho dos professores concursados, os quais cumprem frequentemente, mais horas de trabalho docente do que é previsto. Ou seja, é uma reação em cadeia.

Eu me perguntava se o estágio realizado sem supervisão seria útil. Acredito que sim. Nada é inútil! mas provavelmente, uma prática reflexiva geraria muito mais frutos.

Mais recentemente passei por algumas horas a mais de estágio, dessa vez, obrigatório. Não queria (pra quê de novo?), mas não tinha nada que eu pudesse fazer.

Eu me deparei com uma disciplina nos moldes mais convencionais, na qual um professor (que não era o orientador) que passava atividades a serem cumpridas, textos a serem lidos e relatórios a serem elaborados. Passado o estranhamento inicial, comecei a ver os frutos dessa experiência. Era muito bom trazer os problemas e dificuldades para debate com um grupo pequeno (dos obrigados a cursar a disciplina) e com um professor interessado em formar educadores. Além de discutir somente com o orientador que conteúdos deveriam ser ministrados, pudemos aprender ir do planejamento à avaliação.

Claro que não foi uma experiência perfeita, houveram problemas e dificuldades, sobretudo para que os orientadores (de estágio e da tese) compreendessem a dinâmica e, para que nós adaptássemos nossa rotina a mais exigências e interlocutores. Mas acredito que foi muito positivo de modo geral.

 Isso me lembra de responder àquela pergunta sobre vocação. Talvez ela até exista em algumas pessoas, adormecida ou ação. Afinal, quem nunca passou por um professor na universidade e pensou “é um ótimo pesquisador, sabe muito, é muito inteligente, mas como professor… não consegue passar nada”.

Diante da minha experiência, acho que é importante ter a oportunidade de treinar o olhar e as práticas para o ensino por que esse será, em pouco tempo a profissão da grande maioria. E idealmente a realização deste como um exercício reflexivo e prático, orientado e codividido de alguma maneira.

PS: quem quiser uma dica de um bom livro sobre Estágio Docência no ensino superior, indico:

Gil, Antônio Carlos. Didática do Ensino Superior. São Paulo: Atlas. 2012.

By |2018-09-26T16:58:12+00:0004-08-2013|docência|7 Comments

About the Author:

Bióloga pernambucana e doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais (UFC). Escreve crônicas "desde que se entende por gente" para registrar e refletir sobre o universo ao seu redor. Aprecia os pequenos prazeres da vida e é uma otimista incorrigível.

7 Comments

  1. Julia Rafalski 04.08.13 at 15:33 - Reply

    Raiana, gostei muito do seu post e acho a discussão pertinente. Faço Mestrado em Psicologia na UFES e, na reunião do programa de pós, como representante estudantil, perguntei aos professores por que não temos uma disciplina de estágio em docência. Obtive várias respostas, mas a que mais me chocou foi “porque teríamos que ofertá-la”. Entendo o excesso de carga horária de alguns professores, a dificuldade de conciliar agendas, mas o quão mais importante isso é que formar bons profissionais de ensino? Estou sendo ensinada a pesquisar e não a dar aula, mas para ingressar em uma universidade preciso passar por uma prova de didática em sala de aula e não posso ser contratada como cientista porque isso sequer existe… É um paradoxo muito grande, na minha opinião.
    Obrigada pela indicação de leitura, também.

    Abraços,

    • Raiana Lira Cabral 06.08.13 at 09:32 - Reply

      Julia, grata pelo contato!
      Realmente é um paradoxo e um desafio. Compartilho do seu questionamento e acho que é importante fomentar nos nossos colegas essa discussão para que possamos cobrar essa formação. Também compreendo os professores, mas essa nunca deve ser a resposta. Fico contente em ter auxiliado! Esse livro é muito interessante!
      Abraços!

  2. Interessante questionamento, Raiana, inclusive ilustrado com a máxima “é um bom pesquisador, mas não é bom professor”. O estágio de docência para mim foi muito importante. E te digo que por mais que eu estivesse tremendo nas bases antes de cada aula (ainda mais com o orientador no fundo da sala hehe), durante a exposição da aula e as discussões com os alunos era muito legal mesmo!

    • Raiana Lira Cabral 06.08.13 at 09:34 - Reply

      Oi Elisa! Grata por dividir a experiência. É verdade que sempre dá uma insegurança no começo e realmente o feedback dos alunos ajuda demais.. mas que bom que podemos tê-la agora e ir melhorando… =D Abraços!!

  3. Heloisa 05.03.14 at 16:00 - Reply

    Olá Raiana,
    Gostei muito do texto! Parabéns!! Atualmente sinto uma falta enorme do estagio em docência e confesso que estou tendo varias dificuldades. Durante meu mestrado não pude dar aulas (digamos que minha orientadora era contra..) e também não fui incentivada para isto pela própria instituição. Até fiz a disciplina obrigatória de pedagogia, mas foi um curso rápido, apenas sobre as teorias pedagógicas, não foram aulas efetivas. Por conta disso, hoje acabo perdendo algumas oportunidades de trabalho por não ter a experiência exigida ou mesmo por não saber como passar a informação. É muito ruim ser um bom pesquisador mas um péssimo professor…

  4. Caio 14.03.14 at 00:13 - Reply

    Você poderia me informar se existe um regulamento que permita um aluno de graduação poder lecionar nas turmas da própria curso através de um estágio de docência?

  5. Nélida Salcedo 14.05.15 at 10:12 - Reply

    Bom dia!

    Estou me formando em administração e com idéia fixa de fazer a pós em docência, mas com milhares de dúvidas na cabeça! Disposta a tentar, mas como saber que é isso que quero realmente fazer?! algum conselho ?

Leave A Comment