Diferenças entre os cursos lato sensu e stricto sensu

É muito comum que um profissional procure sempre atualizar-se em seu ramo de trabalho.

Mas será que os candidatos a uma vaga de mestrado têm consciência real do que significa o curso?

Na minha experiência tenho observado que a maioria das pessoas que iniciam o curso de mestrado não sabe exatamente o que ele significa.

O curso de mestrado vai além do título que possibilita lecionar no ensino superior. Ele envolve o desejo de realizar pesquisas.

Ao contrário dos cursos de pós-graduação “lato sensu” que são mais direcionados à atuação profissional e atualização dos graduados no nível superior (tecnólogos, licenciados ou bacharéis), a pós-graduação “stricto sensu” agrega cursos voltados à formação científica e acadêmica e também ligados à pesquisa. Existem nos níveis do mestrado e doutorado.

Outra diferença diz respeito à carga horária mínima, que na pós-graduação “lato sensu” é de 360 horas e se encontram nesta categoria os cursos de especialização, os cursos de aperfeiçoamento, bem como os cursos designados como MBA (do inglês “Master in Business Administration”, ou mestre em administração de empresas); diferentemente do que é o caso nos EUA, eles não são equiparáveis aos mestrados.

Já o curso de mestrado tem a duração recomendada de dois a dois anos e meio, durante os quais o aluno desenvolve uma dissertação e cursa as disciplinas relativas à sua pesquisa. Os doutorados têm a duração média de quatro anos, para o cumprimento das disciplinas, realização da pesquisa e para a elaboração da tese.

By |2016-01-13T12:24:57+00:0031-07-2013|guia|19 Comments

About the Author:

Mestranda em Políticas Pública, pela Universidade de Mogi das Cruzes(UMC), especialista em Direito Público, em Direito Processual Civil, em Direito Penal e Processual Penal, e Assistente Jurídico Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

19 Comments

  1. Gabriel 31.07.13 at 06:03 - Reply

    É interessante notar que, ao longo do tempo, o próprio MEC fez modificações no sentido de formar docentes para a educação superior em nível lato sensu. Antes, a disciplina Docência no Ensino Superior era obrigatória, o que, após reforma, foi retirado. Não há um compromisso efetivo em formar esse docente. Penso eu que mesmo os cursos de mestrado/doutorado na grande maioria das áreas não o tem.

    Acho que o MEC precisa promover uma mudança urgente nos cursos strictu sensu. Tem gente saindo pra dar aula num curso de graduação sem saber fazer um planejamento, sem ter estudado didática (que não é método, é uma ciência com implicações políticas, inclusive). Enfim.. bom texto para explanar a diferença.

    • Alexandro 17.07.15 at 09:14 - Reply

      Eu terminei o mestrado em 2007 e sim, tive formação sim, tive de ministrar aulas no nível superior, tive que fazer estágio docente, tanto quanto fiz durante a graduação ( terminei em 2003), e ensino desde 1996! no fundamental e médio.
      Esse papo de não formar professores é conversa de quem não quer pagar salários maiores, como temos visto bem recentemente!

  2. Interessante sua abordagem, Valeria! Confesso que não entendo muito sobre pós-graduação lato sensu, especialmente quando são promovidas pelas próprias empresas para qualificar seus empregados. Não sei quais as exigências, se existe monografia também, se é feita de aulas ou há parte prática e/ou experimental também. Ou ainda se isso tudo varia bastante de uma pós para outra… Seria muito legal ver mais posts seus aprofundando este assunto!

    • Elisa, obrigada pelo comentário! e obrigada também pelas sugestões, prometo que nos próximos artigos vou procurar me aprofundar mais sobre os temas: monografia, dissertação e tese.

  3. Gabriel, obrigada pelo comentário! Não tive a pretensão em esgotar o assunto, mas concordo com você, realmente a formação do docente é precária. Embora exista na grade de algumas pós-graduações ela não é desenvolvida com a seriedade que merece. Mas é muito bom que pessoas como você tenha se atentado para este fato, e por que não tentarmos mudar

  4. Ottoni 17.09.14 at 20:55 - Reply

    Gostaria de saber se é possível conciliar um mestrado com um trabalho cuja a carga horária é de 12 por 36? Obrigado!

    • Lucas 27.09.14 at 21:35 - Reply

      É possível, sim, Ottoni. Mas isso vai depender do programa de pós-graduação e da sua disciplina para se dedicar ao curso no tempo que tiver livre. Eu trabalho como servidor público 40 horas por semana, como professor em uma faculdade privada 3 noites por semana e atendo cerca de 10 horas por semana em consultório (sou psicólogo). Mesmo assim estou conseguindo fazer o curso de Doutorado em Psicologia Clínica. Tenho liberação em um dia da semana para cursar as disciplinas e, no tempo livre, me dedico à elaboração da tese.

      Tente encontrar um curso que atenda às suas necessidades. Boa sorte!

  5. Ione 12.02.15 at 10:35 - Reply

    Parabéns! Ótimo explicação.
    Pretendo fazer psicopedagogia como pós graduação, mas a carga de horas e de valor varia de instituição. Qual a diferença na formação e credibilidade?

  6. Rodolfo 10.08.15 at 09:31 - Reply

    Um curso de mestrado de cuja a carga horária de disciplina seja inferior a 360h ( sem contar com tempo de pesquisa e preparação da monografia) pode não dar direito a uma promoção na SEEDUC do Rio de Janeiro, como me defender diante da alegação do Estado em dizer que o curso de mestrado não observa a carga horária de 360h logo não tem validade para tal.

  7. Daniela 03.02.16 at 20:19 - Reply

    Boa noite, tive a informação de um mestrado lato sensu de 720 hs que é autorizado pelo Mec porém não pela Capes, gostaria de saber se isso procede, se esse tipo de mestrado em validade. Obrigada.

  8. Roseli Cordeiro 27.02.16 at 13:59 - Reply

    DANIELA,

    A Minha dúvida também é esta. Preciso muito dessa informação.

    No aguardo,

  9. Karina 06.03.16 at 08:04 - Reply

    Olá,
    Também tenho dúvida em relação à esse Mestrado Lato sensu, ele é autorizado pelo MEC pois verifiquei no Emec e lá consta. Ele tem 720 hrs. Porém não é autorizado pelo Caps. Esse mestrado procede? Tenho mto interesse em fazer.

    • Pós-Graduando 06.03.16 at 19:04 - Reply

      Olá, Karina!

      “Mestrado Lato sensu“?

      Todo mestrado é Stricto sensu e tem que ser reconhecido pela Capes.
      Já as especializações e MBAs são os cursos Lato sensu.

      O curso que você viu provavelmente é uma especialização ou um MBA.
      Nesse caso, tudo bem. A Capes relaciona apenas os cursos Stricto sensu (mestrado e doutorado) mesmo.

      Agora, se o curso que você viu for um mestrado Stricto sensu e não for reconhecido pela Capes, seu diploma não será aceito em lugar algum.
      Ok?

  10. THALITA COSTA 11.05.16 at 16:26 - Reply

    Olá! Ainda não compreendi muito bem a diferença entre lato sensu e stricto sensu. Qual é melhor lato ou stricto?As duas são pós graduações? Ou a stricto sensu já é o mestrado?

    Obrigada.

  11. Antonio Luiz 23.06.16 at 19:47 - Reply

    Um professor formado cursa uma especialização (360h.),presencial, não é considerado como lato sensu na análise de curriculum?

  12. Fernanda 05.02.18 at 11:25 - Reply

    Bom dia!
    Qual é a carga horária mínima para um curso de mestrado?

  13. Ligia 23.08.18 at 19:52 - Reply

    Olá; tbm visita uma mestrado em lato sensu pela Fatec. Não existem então mestrado lato sensual?

Leave A Comment