• Como evitar o "branco" na hora de escrever?

Como evitar o “branco” na hora de escrever?

Por mais que se conheça o tema tratado em um artigo, projeto ou mesmo na dissertação/tese, uma hora você se depara com a tela do computador em branco e as ideias simplesmente não fluem. Lamento informar, mas você acaba de ser apresentado ao bloqueio criativo. E agora, o que fazer para driblar essa barreira? Existem maneiras de se precaver?

Prepare-se e antecipe-se
O bloqueio criativo age como o Freddy Krueger: você pode até ser cético ou achar que está bem preparado, mas quando menos esperar, “ele vai te pegar”. Saber que isso ocorre com frequência e atinge a todos é um passo essencial. Aceite que isso é normal e encare o problema. Sabendo disso, comece a escrever o quanto antes, um passo fundamental para evitar que os prazos apertem e que o desespero tome conta.

Conheça as causas
Diversos podem ser os motivos do bloqueio e o primeiro passo é conhecê-los. Preocupações financeiras/familiares devem ser resolvidas primeiro. Problemas de saúde e transtornos (depressão e ansiedade) devem ser acompanhados de ajuda especializada.

Organize-se
Antes de iniciar o processo da escrita, organize as ideias principais. Faça rascunhos (no papel mesmo) com os tópicos a serem abordados e desenvolva o texto à partir dessa estrutura. Pode-se começar com alguns aspectos gerais e, aos poucos, especificar o que será desenvolvido em cada item. Sabendo claramente o que deve ser escrito em cada item, é mais difícil ficar perdido.

Renove-se e comece do zero
Iniciar textos com base no que você já desenvolveu é comum. Entretanto, recriar algo que já deu certo pode ser uma cilada, Bino armadilha. Reutilizar o que você escreveu em outro trabalho é uma barreira à criatividade. O ideal é começar com a página em branco e, após os temas estarem bem organizados, acrescentar aquilo que já foi discutido em outro trabalho.

Estipule metas curtas
Escrever tudo de uma vez é uma tarefa cansativa e arriscada. Uma saída é traçar pequenas metas e focar seus esforços até as mesmas serem alcançadas. Estipule alguns tópicos prioritários e se dedique até que tenham sido finalizados.

Busque inspiração
Aprofunde-se em trabalhos da sua área ou com enfoque semelhante. Absorva o que pode ser utilizado em seu projeto, mas não se prenda à estrutura ou à forma de escrita dos autores. Enquanto “destrincha” os temas discutidos, separe o que poderia ser utilizado no seu texto. A priori não se importe com a ordem de discussão, você terá um tempo hábil para isso depois.

Mantenha apenas o fundamental
Uma vez que o material foi devidamente separado e enquadrado no lugar, releia tudo. Elimine os excessos e faça a conexão das suas ideias com as dos autores, um tópico por vez (não se afobe).

Consulte outras áreas
Buscar referências em áreas distintas pode ser uma forma interessante de furar o bloqueio. A inspiração para retomar o projeto pode estar em lugares inesperados.

Mude o ponto de vista
Se nada que foi feito lhe parece bom, olhe seu projeto de maneira diferente. Muitas vezes resultados interessantes estão “escondidos” e exigem paciência. Isso é especialmente válido para quem está escrevendo algum artigo e enfrenta dificuldade em explicar os resultados.

Dedique um tempo a você mesmo
Relaxar é fundamental. Quando o projeto travar, pare. Saia com os amigos, vá ao cinema, leia livros, passe um tempo nas redes sociais e retome o projeto no dia seguinte. Isso diminui o stress e faz com que você não se apavore. Mas não exagere e esqueça a hora de voltar ao trabalho.

Confira mais dicas para lidar e superar o bloqueio criativo na postagem da Raiana Lira Cabral, aqui no posgraduando.com.

By |2013-11-03T10:51:36+00:0029-07-2013|guia|18 Comments

About the Author:

Engenheiro Agrônomo, atualmente é doutorando em Agronomia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), em projeto conjunto com o Departamento de Qualidade do Solo, Wageningen University & Research Centre (WUR). Vascaíno, é fã de literatura e cinema e nas horas vagas gosta de se passar por escritor de terror/suspense.

18 Comments

  1. Ótimas dicas, Giovani! Como você mesmo falou, seu texto e o da Raiana juntos são um bom guia e servem de apoio pra quem acha que está passando por isso sozinho (tipo eu).

    • Olá Thais! Que bom que gostou das dicas. Foi engraçado que a Raiana e eu, mesmo sem termos combinado, tenhamos abordado o mesmo assunto sob óticas diferentes. Espero que o texto possa te ajudar de alguma forma, mas não tem jeito. O bloqueio criativo acaba acontecendo, hora ou outra.

  2. Também gostei das dicas, Giovani! O seu texto e o da Raiana ficaram bem complementares, e vou salvar os dois pra reler nos momentos de bloqueio (que por enquanto não estão rondando, mas que sempre aparecem à la Freddy Kruger mesmo hehehe).
    Fiquei curiosa com a dica de “consultar outras áreas”, me interesso bastante por essa troca entre diferentes campos e gostaria de ouvir mais sobre essa dica, como você começa a procurar essas referências em áreas distintas? Ou elas simplesmente aparecem e você só não as ignora por não serem da área? Obrigada!

    • Oi Elisa, que bom que gostou das dicas. Foi por acaso, mas a postagem da Raiana e a minha acabaram se complementando mesmo…se tivéssemos combinado não daria tão certo rsrs.

      Quanto ao “consultar outras áreas”, eu faço da seguinte forma: trabalho com ecologia e diversidade de nematoides no solo, mas tento não focar apenas em trabalhos na mesma área. Pesquiso em trabalhos sobre ecologia/diversidade de plantas, peixes, pássaros, etc. Assi, muitas vezes tenho algumas ideias de como abordar os meus resultados e sobre análises estatísticas a serem aplicadas (que eu nem havia me atentado). Outras vezes (não raras), essas ideias vêm de textos da área de humanas (sobre diversidade religiosa, por exemplo). O segredo é tentar sempre ficar atento e extrair de cada trabalho (independente do tema) o que poderia ser utilizado no seu. Espero ter sido claro e ajudado rsrss

      • Muito obrigada pela elaborada resposta, Giovani! Já precisei buscar metodologias em outras áreas pouco relacionadas com a área que eu trabalhava (biologia de Trypanosoma), mas geralmente ainda dentro das biológicas. Essa ideia de ver textos na área de humanas me interessou bastante e vou aplicar =) a dica das análises estatísticas é ótima também.

        • Na parte estatística, Elisa, buscar fontes em outras áreas já me ajudou a trabalhar os dados muitas vezes. Foi numa dessas incursões pelas ciências humanas que descobri a análise multivariada, que tem me auxiliado muito na análise dos dados.

  3. Luana 29.07.13 at 14:36 - Reply

    Olá pessoal,

    Muito legal as temáticas postadas aqui neste blog. Me identifico a todo momento.
    Um abraço a todos!

    • Olá Luana, creio eu que isso é reflexo de um grupo bastante heterogêneo quanto à formação acadêmica e quanto às experiências, o que cria perfis bastante diversificados. Além disso, o feedback dos leitores é muito importante para que os colunistas possam “sentir” os temas de maior relevância. Obrigado pelo comentário e continue participando. Abraço!!

  4. Ótimo texto e ótimas dicas, Giovani! Com certeza irei recorrer a elas em alguns momentos.

    • Obrigado Nadini!! Espero que as dicas possam ser úteis. As suas dicas sobre o plano de ação também são muito úteis no planejamento prévio e na determinação das metas curtas. Ajuda bastante a evitar o bloqueio também.

  5. Poly 29.07.13 at 22:39 - Reply

    Dicas muito bem-vindas! É reconfortante saber que não sou a única que preciso delas. 🙂

  6. Daniel Angrimani 30.07.13 at 19:45 - Reply

    E aee Giovani! Td certo?? Muito massa o texto! Dicas MUITO úteis! Vou levá-las a fundo agora que estou escrevendo a Dissertação! Muito bom! Abraços!

    • Fala Daniel, tudo certo? Valeu cara, mas sabe aquela antiga história de “casa de ferreiro, espeto de pau”? Pois é, eu tenho certa dificuldade em seguir algumas dessas dicas, principalmente o planejamento antecipado rsrs. Abraço!!

  7. F.C.Perez 31.07.13 at 07:46 - Reply

    Texto excelente, dicas bem vindas. E sempre que a memoria fotográfica falha, procuro autenticar uma das dicas, que por sinal é um direcionamento para os que não têm medo de perceber que o tempo passa. Parabéns Giovani!

  8. Mario matia 22.06.15 at 17:55 - Reply

    Eu começo escrevendo de tudo um pouco sem compromisso com a verdade ou com o que realmente interessa e isso vai acumulando dados e informações na forma de rascunho e mesmo se depois de escrever sentir que ficou a merda das merdas longe do que gostaria de escrever não me desespero.É errando que se aprende a errar menos.Se você errar 999 vezes tente mais uma vez.Valeu?????

  9. marcia 21.03.17 at 16:26 - Reply

    preciso de ajuda para dissertar sobre o tema a pagina em branco li mas nao entendi , e nem sei por onde começar!!!!!

Leave A Comment