• Tudo pronto: versão “final” da dissertação nas mãos dos membros da banca!

Tudo pronto: versão “final” da dissertação nas mãos dos membros da banca!

Hoje vamos falar sobre um assunto especial, tão desejado pelos pós-graduandos. É isso mesmo, sabe aquele momento que enfim teclamos o ponto final na dissertação? E aguardamos “calmamente” (risos) a data da banca de defesa? Quem já defendeu sabe do que estou tratando, e quem está na espera pela data da banca de defesa entenderá esse post.

Após um período intensamente louco de escrita, muita escrita, reescrita, durantes longas manhãs, tardes, noites e madrugadas, dedicadas integralmente a ela, a “dissertação” nossa de cada dia, teclamos ele, o aclamado “ponto final”.

Entre dias de risos e prantos, brigas e amores com nossas bibliografias, nossos dados, e nossos documentos, com as vozes da banca de qualificação sobrevoando os nossos pensamentos e reconduzindo a escrita, nós, os incríveis seres pós-graduandos, conseguimos “dar conta de tudo” e acabar com essa história de uma vez.

E “que venha a banca”. Simples, não? Sim, não, talvez, sei lá, isso depende de … É, bem assim que nos encontramos: ora felizes, ora ansiosos, ora temerosos, ora desesperados (não exagero).

Não há o que temer, sejamos francos, a dissertação já passou pela banca examinadora de qualificação, pela leitura de seu orientador ou de sua orientadora, pela correção ortográfica, as normas da ABNT foram acertadas, as solicitações pertinentes tecidas pelos membros da banca foram atendidas, não é, logo, tudo certo?

Algo que certamente aflige os pós-graduandos nesse período de espera é justamente o “será que isso, será que aquilo”, no que diz respeito a nossa escrita e as expectativas da banca.

Pois a dissertação da banca de defesa, se comparada à versão de qualificação, é praticamente um trabalho diferente, que expressa crescimento, outras leituras. Entre inserções e deletes, desenvolvemos o processo de reconstrução e construção da versão final da dissertação. Logo, se torna normal algumas inquietações e preocupações. Uma vez que já passamos do momento de qualificar, o drama agora é: sobreviverei a defesa?

Certamente, sobreviveremos, se o trabalho foi bem encaminhado e teoricamente está sustentado, cumprindo os requisitos de uma pesquisa científica, “bora defender”.

Que a defesa não nos intimide, mas, sim que seja uma etapa de nossa formação como futuros pesquisadores. E, você caro pós-graduando já defendeu ou está rumo à defesa? Conte para nós!

By |2013-12-02T17:05:11+00:0002-12-2013|debates|6 Comments

About the Author:

Paranaense e graduada em Pedagogia. Atualmente é Mestranda em Educação.

6 Comments

  1. Thais Nascimento 03.12.13 at 07:21 - Reply

    Primeiramente, sucesso e sorte em sua defesa! Sorte, sim… Uma boa pitada dela nunca é mal.

    Passei pela defesa da dissertação no mês de março. Um momento que parece simples e de libertação, mas que tem uma intensidade indescritível. Assim como você, me parecia está tudo bem: orientações seguidas, comentários da qualificação inseridos e um resultado, que aos meus olhos, parecia legal. Entretanto, isso não é o suficiente! Não dormi na noite anterior e estava muito aflita na manhã da defesa.

    Quando tudo tem início, começa o relaxamento. Dos 20 minutos de apresentação, 50 passaram e eu não percebi (estava gostando de apresentar a minha pesquisa). E na pitada de sorte que tive, os 4 membros da banca foram maravilhosos: das contribuições para um futuro trabalho de tese e artigos aos elogios pelo crescimento intelectual que o trabalho apresentava.

    Ufa! Passado tudo isso, só felicidade em saber que uma importante etapa foi vencida e lutar pela próxima. E cá estou eu. Novamente no mesmo drama de leituras e releituras, escritas e reescritas à busca de um projeto tese para qualificação.

  2. Carla Ramos de Paula 03.12.13 at 16:44 - Reply

    Obrigada Thais! Vamos lá rsrsrs grata pelo comentário.

  3. Priscila 06.01.14 at 13:46 - Reply

    Defenderei meu doutorado em 30 dias. Minha tese está sendo impressa e já gastei uma nota com impressão, encadernação, correção de lingua portuguesa, lembrancinhas para a banca, jaleco novo para a defesa e agora quero saber: por que tenho que pagar almoço ou cofee? A ausência de convite para tal é considerado falta de educação? Serei mal interpretada?

  4. Andréia 10.01.14 at 19:04 - Reply

    Defenderei minha dissertação daqui a uma semana e tenho a mesma dúvida com relação ao coffee! Não sei como fazer e se devo… Na verdade não estou muito preocupada com isso, mas todos estão perguntando :/

  5. Nayara 03.07.14 at 01:19 - Reply

    Genteeee, daqui a 8 dias defendo minha dissertação kkkkkkkkkkkkkkk na verdade, tô rindo de nervoso, mas tô confiante que dará tudo certo! obg pelo texto, me ajudou a “destensionar” :p um abração!!! e sorte pra mim!!!!

  6. Renata 03.08.16 at 17:41 - Reply

    defendo amanhã … e estou muiiito ansiosa …só de pensar que amanhã a essa hora já acabou, me dá um frio na barriga!

Leave A Comment