Dicionário da Pós-Graduação

Em dúvida sobre algum termo da Pós-Graduação? O Pós-Graduando pública os primeiros verbetes do “Dicionário da Pós-Graduação”. Aviso importante: este artigo NÃO é recomendado para pessoas sensíveis, carentes, revoltadas, falsos-moralistas ou com sérios problemas de senso de humor.

ABNT: conjunto de normas criadas para serem solenemente ignoradas por todos os periódicos nacionais, que insistem em elaborar normas próprias.

Acochambrar: ato antiético de fazer com que aquela análise teimosa torne-se significativa estatisticamente por meios escusos.

Amor: sinônimo de tese ou dissertação.

Conclusão: o ponto onde você ficou cansado de pensar.

Confiança: aquele sentimento que você tem antes de compreender completamente a situação.

E-mail: correspondência virtual que você envia ao seu orientador na inocente esperança que ele leia.

Especialista: profissional que lhe diz uma coisa simples, de maneira confusa, de forma a fazer você pensar que a confusão é sua.

Estatística: método sistemático para se ter uma conclusão errada com 95% de confiança.

Experiência: conhecimento que permite que você reconheça um erro quando o comete novamente.

Felicidade: é ter o que fazer.

Férias: algo que você tinha no ensino médio e que agora você nem se lembra mais o que é.

Hierarquia: poder que seu orientador é obrigado a exercer para que você consiga defender dentro do prazo.

Hipótese: uma coisa que não é, mas a gente faz de conta que é, pra ver como seria se ela fosse.

Ironia: insulto fantasiado de elogio.

Laboratório: primeira casa de todo pós-graduando.

Lattes: um Orkut com complexo de superioridade e que não é bloqueado no computador da faculdade.

Lucidez: realidade causada pela falta de álcool.

Mestrado: curso que você precisa para poder prestar certos doutorados. E só.

Método: procedimento utilizado para fazer com que a ficção científica deixe de ser ficção.

Opinião: algo que a gente dá e que, às vezes, apanha.

Orientação: forma remunerada de descontar em outras pessoas seus problemas pessoais.

Paciência: virtude que permite você esperar seu orientador corrigir seu artigo sem cair na tentação de cobrá-lo.

Parente: pessoa que adora perguntar quando você vai começar a trabalhar “de verdade”.

Personalidade: aquilo que uma pessoa tem quando não está precisando do emprego.

Pesquisador: pessoa que, partindo de premissas falsas, consegue chegar a conclusões perfeitamente equivocadas.

Preguiça: hábito de descansar antes de estar cansado.

Relatório: melhor forma de perder tempo escrevendo algo que ninguém vai ler.

Sarcasmo: aquele “Boa Sorte” que alguns professores colocam no final da prova.

Senso de humor: sentimento que faz você rir daquilo que o deixaria louco de raiva se acontecesse a você.

Teimosia: orgulho de ser burro.

Vida social: esse verbete não existe no dicionário da pós-graduação.

. . .

Use sua criatividade e sugira um verbete no campo “comentários” abaixo.

By |2016-02-07T00:04:22+00:0012-05-2011|guia, humor|35 Comments

About the Author:

Criador e editor de conteúdo do blog, é portador de uma imaginação hiperativa e de uma necessidade patológica de estar sempre bem-humorado. Acredita que a Pós-Graduação, como tudo na vida, pode ser interessante, divertida e descomplicada.

35 Comments

  1. eli 12.05.11 at 09:37 - Reply

    Gambiarra: tentar fazer funcionar de qualquer maneira algum equipamento ou experimento de maneira não-científica, usando objetos como elásticos, fita-crepe, clipes, tampas de caneta, pedaços de papel…

  2. Érica 12.05.11 at 13:30 - Reply

    No meu caso, Estatística: A coisa em que você dedica o maior tempo, e preocupações, da sua vida. Entre suas atividades principais inclui aprender o alfabeto grego inteiro, considerar desvios como normais e, como já mencionado, tirar conclusões erradas com 95% de confiança – mas como estatístico a pessoa é ensinada a fazer com o valor que ela quiser.

  3. Osmar 21.05.11 at 00:36 - Reply

    Q.I.: com certeza não tem a ver com o antigo equívoco que o relacionava a habilidades de raciocínio. Contemporâneamente remete a dois fatos em sequência: Quem Indica Quem Inifia!

  4. CLaudio 15.09.11 at 19:04 - Reply

    Almoço: aquele sanduíche duro na lanchonete perto do departamento;
    Jantar: jejum, pois quando vc finalmente encontra tempo pra sair do laboratório, a lanchonete já está fechada;
    Fome: tão normal que o estranho é estar de barriga cheia;
    Referência bibliográfica: aquilo que copiamos de alguém que copiou de alguém (e que provavelmente também já copiou de alguém);
    Etc: falta de criatividade pra dar mais exemplos (ou sem saco mais mesmo pra ilustrar o assunto, o conteúdo, etc.)
    🙂

    • Thiago 30.06.14 at 20:56 - Reply

      Adorei, principalmente o significado de “fome” e “referências bibliográficas hahahahahaha

  5. Flavio Thimotio da Silva 15.09.11 at 19:20 - Reply

    Recurso Técnico: Gambiarra que funciona.

  6. Flavio Thimotio da Silva 15.09.11 at 19:22 - Reply

    Recursividade: vide Recursividade

  7. Mirian 15.09.11 at 19:38 - Reply

    Procrastinação: habilidade intrínseca a todo pós-graduando. Implica em tornar QUALQUER COISA mais importante e mais urgente do que sua tese ou dissertação.
    Exemplo empírico: Eurico foi obrigado a parar sua revisão bibliográfica pois percebeu que as bolinhas em suas meias de dormir precisavam ser aparadas meticulosamente naquela semana.

  8. Ricardo Aguiar 15.09.11 at 21:58 - Reply

    Procastinação: ato inerente de uma pesquisa científica de excelente qualidade, criando a velocidade ideal para que os processos de uma pesquisa ocorram no tempo certo.

  9. Gisélle 24.10.11 at 11:29 - Reply

    Doutorado = Game over
    Seminários de pesquisas = uma bela oportunidade de aprender como é falar para quem não tem o menor interesse naquilo que você tem a dizer.
    Sexo = vide vida social

  10. Diogo Eberhardt 24.10.11 at 11:35 - Reply

    Inspiração – Aquele pânico de ultima hora quando chega perto da defesa.

  11. rolinka nuse 24.10.11 at 11:52 - Reply

    Dado: informação extraída de um experimento científico que faz voce duvidar da premissa inicial da experiencia.

  12. Tati 26.10.11 at 21:19 - Reply

    Gargalhada: expressão corporal que corresponde ao terceiro nível de desespero. (No 1º, você está preocupado e pensativo; no 2º, a dor de estômago e o choro no laboratório serviu de aviso a todos de que você realmente está desesperado, no 3º, já que não tem jeito mesmo, você já contagiou os colegas e estão todos às gargalhadas…)
    PS.:Não, o problema que causou o desespero ainda não foi resolvido, geralmente, é irrecuperável, algo como: “só refazendo seu ensaio de 300h”.
    Obs.:Se quer que dê certo, faça você mesmo, da próxima!

  13. Aoliveirah 21.01.12 at 19:20 - Reply

    Criatividade: ato desesperado no qual você (re) cria algo para ver se consegue cumprir com a meta definida pelo orientador, ou algo parecido…

  14. Luciana F. 21.01.12 at 19:32 - Reply

    Bolsa: o prêmio de consolação por abrir mão de trabalhar e por dedicar-se exclusivamente aos estudos. Quando entra na conta é celebrada com gritos de alegria. Quando a pós acaba, igualmente gritos: de desespero. 

  15. Isabeleaa 21.01.12 at 19:43 - Reply

    Projeto: trabalho do orientador repassado aos alunos de pós, que por sua vez repassam aos alunos de iniciação científica.

  16. Diegoazizi1 28.01.12 at 15:38 - Reply

    Relacionamento: Aquilo que você perde logo que ganha a bolsa do mestrado ou doutorado.

  17. Ana 31.03.12 at 15:29 - Reply

    Doutorado: aquilo que se faz antes de se tornar desempregado

  18. Abelardo 31.03.12 at 15:50 - Reply

    Namoro: antítese de pós-graduação. Você namora ou faz pós-graduação. Uma coisa necessariamente exclui a outra. Obs.: A regra vale para pessoas normais, porque sempre tem um super saiyajin 4 que consegue fazer as duas coisas.

  19. Ecarvalhobiologia 31.03.12 at 20:19 - Reply

    Revista da Paróquia de Olinda: Revista “Científica” utilizada como último recurso para conseguir publicar seu artigo ou a única tentativa, dependendo da qualidade do tal artigo..

  20. Fabricio Salgado 21.04.14 at 15:00 - Reply

    Banca: grupo de pessoas com a capacidade de perguntar tudo aquilo que você não sabe e ainda te fazer se sentir a pessoa mais burra do mundo.

  21. Beatriz 21.04.14 at 15:01 - Reply

    Ser pesquisador: vender a alma a mundos e fundos!!!
    Assim com ARTIGAR é passar dias e dias para escrever uma lauda do seus resultados e seu orientador cortar tudo em 5 linhas em apenas uma hora!!

  22. Eva Oliveira 21.04.14 at 17:13 - Reply

    Biblioteca: alojamento sem pernoite e sem refeições onde se fica preso boa parte da pós-graduação.

  23. Eva Oliveira 21.04.14 at 17:23 - Reply

    Dormir: verbo defectivo que só se conjuga em 8h na graduação. Posteriormente não se conjuga por mais de 6h ou somente com auxílio de medicamentos tarja preta em vésperas de qualificação/defesa.

  24. SERGIO ANDRES LULKIN 21.04.14 at 16:52 - Reply

    Prazo: o bom é que um dia acaba!

  25. Fabiana 21.04.14 at 18:09 - Reply

    Amostra: quantidade de elementos pesquisados/analisados, que é definida com base no esforço que você quer ter durante a pesquisa.
    Esforço: aquilo que aparece depois da procrastinação, muitas vezes atenuado pela preguiça.
    Preguiça: adjetivo utilizado para qualificar o sentimento de desespero dado em aversão à pesquisa.
    Pesquisa: pseudo trabalho que pesquisadores e aspirantes a pesquisadores desenvolvem, com baixo índice de aplicação na vida real.
    Vida real: o que qualquer pessoa tem, desde que não se enquadre na categoria pesquisadores e aspirantes a pesquisadores.

  26. Abelardo 22.04.14 at 07:38 - Reply

    Vida social: conjunto de atividades realizadas geralmente em grupo, em ambientes descontraídos, e que se encerram com a entrada no mestrado ou no doutorado.

  27. Abelardo 22.04.14 at 07:39 - Reply

    Defesa: Sessão oficial de tortura que ocorre ao final de um curso de mestrado ou de doutorado. Humilhação pública institucionalizada em Universidades.

  28. Kaymerê 30.06.14 at 16:44 - Reply

    Banheiro: Um local que vc só vai sentir vontade de ir quando estiver fazendo um experimento muito importante ou seu orientador te chamar pra conversar. Ou seja, vc nunca vai a ele.

  29. Carlos 30.06.14 at 23:16 - Reply

    Colaboração: aquele cara que só fez a análise porque tem o equipamento, não sabe nada sobre seu trabalho e ainda entra como co-autor para rechear o lattes;

    Rede de colaboração: vide amigos bavária – grupo de auto-citação e troca-troca de autorias em trabalhos cuja endogenia apenas serve para aprovar seus próprios para posições em seus castelos/universidades;

  30. Bruna 04.07.14 at 12:02 - Reply

    Revisão: algo que você faz e que seu orientador não dá a mínima.
    Paciência: algo que está entre a vontade de escrever e a barra de chocolate o seu lado.

  31. Renato Pereira 11.02.16 at 13:24 - Reply

    Citação direta: em um trabalho científico, é a maneira mais rápida de deixar o trabalho mais volumoso. Mais conhecida por “encheção de linguiça”

    Paráfrase: em um trabalho científico, é a maneira que se encontra para dizer que não entendeu o que o autor citado quis dizer.

    Espaçamento entrelinhas entre 1,6 e 2,0: forma mais adequada de deixar a produção mais volumosa. Regra-geral nos trabalhos de pós-graduação stricto sensu no Brasil.

    Impressão frente e verso: nem pensar.

  32. Cristiane 13.02.16 at 10:50 - Reply

    Prazo: aquele que você espera que seja infinito enquanto dure.

Leave A Comment