A atividade profissional de pesquisador não exige apenas que ele “produza” ciência; ele precisa “escrever” ciência também.

E embora uma boa escrita não cause a publicação de ciência ruim, má escrita com freqüência retarda a publicação de boa ciência.

Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza, precisão, comunicabilidade e consistência.

Ninguém aprende a escrever bem da noite para o dia, ao passo que não se escreve sem leituras e/ou estudos anteriores.

Abaixo, segue apenas alguns erros cometidos durante a elaboração de textos científicos.

Atenção: estas dicas são válidas para trabalhos relacionados às ciências experimentais. As ciências sociais possuem um estilo completamente diferente.

1. Linguagem pessoal.
Escreva na terceira pessoa do singular. Se o seu nome está relacionado entre os autores do trabalho, fique tranqüilo, todos os leitores irão supor que ele foi realizado por você. Textos em primeira pessoa são utilizados geralmente para relatórios e outros tipos de comunicação, como este blog, por exemplo.

2. Seqüência confusa.
Antes de iniciar, organize um roteiro com as idéias e a ordem em que elas serão apresentadas. Estabeleça um plano lógico para o texto. Só escreve com clareza quem tem as idéias claras na mente.

3. Frases longas.
Frases longas dificultam a leitura e a compreensão do leitor, além de tornar o seu texto muito cansativo. Prefira colocar ponto e iniciar nova frase a usar vírgulas. Uma frase repleta de vírgulas está pedindo pontos. Na dúvida, use o ponto. Se a informação não merece nova frase não é importante e pode ser eliminada.

4. Palavras ambíguas.
Em um texto científico, cada palavra deve traduzir exatamente o pensamento que se deseja transmitir, não deve haver margem para interpretações. Evite utilizar linguagem muito rebuscada ou termos desnecessários.

5. Personalização de seres inanimados.
Este é um erro freqüente. Gráficos, tabelas e resultados não são pessoas, por isso, eles não mostram, não indicam e nem apresentam coisa alguma. Combinado?

6. Repetição de palavras.
Aqui podemos citar dois erros: quando a mesma palavra é utilizada várias vezes em uma frase ou parágrafo e a tautologia. A tautologia é a repetição de uma idéia, de maneira viciada, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido, como no caso de “duas metades iguais” e “agrupados conjuntamente.”

7. Frases em ordem invertida.
Prefira frases em ordem direta. Se você não lembra mais das aulas de português do colegial, vamos fazer uma revisão de conteúdo. Na hora de construir as orações, utilize a seguinte estrutura: sujeito + verbo + complementos e/ou adjuntos. Não tem erro.

8. Cacofonia.
Cacofonia é a utilização de palavras com sons desagradáveis. Algumas vezes a leitura das palavras na seqüência estabelecida acaba produzindo um som desagradável ou com outro sentido, como em “uma por cada tratamento” (uma porcada). Cuidado com a ocorrência de rimas também. Texto científico não é poema.

9. Palavras inúteis.
Corte todas as palavras inúteis ou que acrescentam pouco ao conteúdo, com ênfase nos adjetivos e advérbios que não irão fazer falta. Utilize apenas palavras precisas e específicas. Dentre elas, prefira as mais simples, usuais e curtas.

10. Marcas comerciais.
Caso seu trabalho tenha sido patrocinado por alguma empresa, mostre toda a sua gratidão em um item “agradecimentos”, após a conclusão. No decorrer do texto utilize o nome comum ou científico do produto.