Escolher um tema de pesquisa não é tarefa fácil. Seja para a sua dissertação, tese ou apenas para aquele experimento que vale nota na disciplina. De repente, tudo o que era realmente importante a respeito sobre a maioria dos assuntos parece que já foi estudado ou descrito.

Primeiro é preciso deixar claro que o intuito de qualquer pesquisa é abrir  caminho para o avanço do conhecimento ou então integrar descobertas com base em diferentes abordagens, por meio de síntese criativa, que promova novas visões de suporte à pesquisa original.

Não existe regra ou receita pronta para se definir um tema. É um trabalho árduo que irá demandar bastante tempo, e muito fosfato também. Mas existem alguns pontos que podem ajudá-lo a cortar caminhos, otimizar o seu tempo e evitar problemas que podem ocorrer durante a realização do projeto. Vamos a eles.

1. Tenha em mente as linhas de pesquisa do programa e do seu orientador.
Comece pensando nas linhas de pesquisa do seu programa de pós-graduação, mas principalmente nas do seu orientador. Dessa forma, se for necessário aquele recurso extra, comprar material ou equipamentos, irá enfrentar menos obstáculos. O apoio e o respaldo, tanto técnico quanto científico ao seu projeto, serão maiores. E isso faz muita diferença.

2. Escolha temas que você goste e se identifique.
Escolhida a linha de pesquisa que irá trabalhar, procure escolher dentro desta linha temas com que se identifique. Sua dedicação ao projeto será maior e, quando se sente prazer no que está fazendo, os resultados são sempre melhores do que o esperado. Além do mais, esse cuidado vai te dar ânimo extra pra quando for necessário, por exemplo, fazer aquela coleta de dados às 4h de uma madrugada de sábado ou passar aquela sexta-feira à noite no laboratório.

3. Leia muito e questione mais ainda.
Eu sempre começo pela literatura básica. Aqueles livros didáticos e/ou clássicos que deixam claros os conceitos a respeito dos assuntos que eu gostaria de estudar. É preciso construir a base, os pontos de partida para os questionamentos que virão a seguir. E começar a se fazer perguntas do tipo: “como seria isso em outra situação?” ou então “será que isto não teria outra explicação e/ou aplicação prática?”. Adote aquela postura de uma criança que está aprendendo algo novo e pensando em todas as possibilidades.

4. Procure artigos sobre o tema em periódicos conceituados.
A essa altura do campeonato, já terão surgido duas ou três dúvidas que dariam um bom projeto. Não descarte nenhuma por enquanto. Procure periódicos na área e repare no rumo que as pesquisas estão tomando nestas áreas. Observe o que tem sido publicado e, principalmente, o que falta descobrir. Em muitos artigos, o último parágrafo do autor é uma sugestão sobre como a pesquisa naquele tema poderia ser levada adiante. Essa revisão de literatura também irá auxiliar a não pesquisar algo que já foi pesquisado, contribuindo para a originalidade do seu trabalho.

5. Cuidado com sua ambição. Seja prático e objetivo.
Existem muitos temas que poderiam render experimentos para uma vida inteira. Temas em que você teria que publicar um livro ao invés de um artigo ou monografia. Tenha em mente que no mestrado, por exemplo, você terá apenas dois anos para dar conta das disciplinas, dos experimentos e da redação. Por esse motivo, limite o seu tema de forma que seja possível alcançar seus objetivos dentro do prazo e das condições de infra-estrutura disponíveis.

6. O tema possui relevância e/ou aplicabilidade?
Aqui é o ponto onde muitos temas são abortados. Pode ser necessário solicitar um financiamento para sua pesquisa. No final da sua pós-graduação, este tema terá que ser defendido perante uma banca. Ou então, o artigo terá que ser aprovado por aquele consultor mala exigente. É melhor que o mesmo tenha mérito científico. Procure descobrir quais são as aplicações e, principalmente, no que a sua pesquisa contribui pra o avanço do conhecimento em determinado campo. Lembre-se que você não precisa “inventar a roda”. A tarefa não é tanto ver aquilo que ninguém viu, mas também pensar o que ninguém ainda pensou sobre aquilo que todo mundo vê.

7. Converse a respeito com outras pessoas.
Esse aqui eu demorei a aprender. Mas depois percebi que meus trabalhos poderiam ter ido muito além se os tivesse discutido com outros profissionais. Após definir o tema, não o discuta apenas com o seu orientador. Fale sobre o seu trabalho com seus colegas de pós-graduação e com professores de outras áreas. Ouça outras opiniões antes de começar o seu projeto. Você se surpreenderá com as contribuições que surgirão.

Gostaria de agradecer ao Christiano Toralles (@KicoToralles), que sugeriu o tema deste artigo. Você também pode fazer sugestões, críticas ou comentários por meio do nosso formulário ou pelo Twitter.