Por que você faz pós-graduação?

No calendário brasileiro não-oficial, ainda estamos naquele vácuo entre o Ano-Novo e o Carnaval. Para quem já está fazendo uma pós-graduação, o ano já começou faz tempo. Para quem acaba de ingressar, é inevitável bater aquela expectativa com o início dessa nova etapa na vida. Nesse momento, surge aquela questão tão simples quanto desconcertante: para quê, afinal, você faz pós-graduação?

Se você não tem uma resposta fácil na ponta da língua, não há motivo para preocupação. Casos de pós-graduandos em crise existencial no meio do percurso são bem mais frequentes do que as aparências dão a entender. A não ser que você seja pré-programado para desenhar a sua vida em uma trajetória em linha reta e sem desvios, é absolutamente normal ter essa dúvida. O problema começa quando deixamos essa dúvida continuar rondando nossa cabeça como o zumbido de um pernilongo psicológico que nunca vai embora.

A consequência disso é um cenário angustiante: ao invés de concentrar sua energia total nas atividades da pesquisa em si, o pós-graduando desperdiça tempo e cabeça com auto-questionamentos morais que trazem mais aflições do que caminhos concretos. “O que estou fazendo da minha vida?”, “Será que pós-graduação é mesmo algo pra mim?”, “A pós-graduação vai me levar para onde pretendo chegar?”. Que atire a primeira pedra quem nunca se fez esse tipo de pergunta.

Continuar por muito tempo nessa situação é tão aterrorizante quanto um apocalipse zumbi. A diferença é que zumbis são apenas ficções, enquanto sua carreira e sua vida são coisas reais demais para ficar brincando de tentativa-e-erro. Sendo assim, por que não tentar resolver essa questão logo de uma vez?

Antes de qualquer coisa, não custa nada lembrar algo tão simples quanto verdadeiro: o percurso de vida de cada um é algo muito particular – e não há nenhum motivo bom para excluir a pós-graduação dessa regra. Dito isto, quero compartilhar algumas intuições baseadas em observações puramente pessoais e sem nenhum pingo de pretensão à cientificidade.

Ao que parece, existem dois grandes perfis de pós-graduandos – para os quais ainda não consegui inventar ainda uma nomenclatura muito prática.

No primeiro deles se encaixam aqueles que buscam uma qualificação adicional para seu percurso individual. Esse grupo inclui as pessoas que percebem suas próprias limitações em seu campo de conhecimento e entendem que a pós-graduação pode sanar esses pontos fracos.

Muitas pessoas que já se formaram em um curso superior continuam interessadas em expandir seu repertório de saberes. Porém, a motivação que palpita nessas pessoas logo esfria frente só de imaginar a possibilidade de voltar para o cotidiano de um bacharelado, com colegas muito mais novos e sem os mesmos interesses e experiências para compartilhar. Nesse caso, fazer uma pós-graduação é a solução mais proveitosa.

No segundo grupo, há aqueles que apelidei internamente – sem nenhuma ofensa, é claro – de “herois da ciência”. São estes que devoram quantidades exorbitantes de artigos, capítulos, dissertações e todas as últimas publicações de sua área. Eles conhecem como a palma da mão todos os periódicos de destaque, suas datas e normas de publicação. Conhecem com intimidade os grandes debates da disciplina, detectam divergências epistemológicas sutis, enfim, têm o desenho completo do “mapa da área”. Não por acaso, são estes que estão buscando explorar novos caminhos e ultrapassar o que o estado de arte já admite como estabelecido.

Não estamos fazendo nenhuma etnografia da pós-graduação, mas acho que essa divisão parece explicar algumas coisas. Por exemplo, o segundo grupo parece ser bem mais suscetível à febre de publicação (publish or perish) enquanto o primeiro parece mais preocupado com a aplicabilidade prática da pós.

E você, se encaixaria em algum desses perfis? Concorda com essa divisão?

By |2018-12-06T01:56:27+00:0012-02-2014|debates|9 Comments

About the Author:

Bacharel em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) e mestre em Semiótica e Linguística Geral pela mesma instituição.

9 Comments

  1. Cida Pacheco 19.02.14 at 15:49 - Reply

    Bem! Faço parte do primeiro grupo, pois acredito que explorando algo em específico, possar dar continuidade qualitativa a carreira ou a profissão. Nos últimos cinco anos fiz três pós, duas juntas e uma outra logo em seguida ao término das duas primeiras, por acreditar que estaria melhor posicionada e atualizada na minha profissão. Sim! Dediquei-me muito, e teve horas que quis desistir, mas fui até o final, e estou muito contente, e assim que possível, encaro mais uma.

    • Lucas Shimoda 22.02.14 at 10:02 - Reply

      Que bom que a pós te ajudou de fato, Cida! Isso é um sinal de que os cursos estão atualizados e afinados com os anseios dos alunos. Conte para nós quando encarar a próxima 😉

  2. Kélia 22.02.14 at 07:50 - Reply

    Fiz pós na área que gosto, aprendi mais que na graduação. Hoje tenho certeza do que faço, a pós deu-me mais segurança. Não quero mais fazer nenhuma pós, estou de olho no mestrado.

    • Lucas Shimoda 22.02.14 at 10:04 - Reply

      Kélia, o passo para um mestrado é sempre decisivo e fundamental! Se você tem a sorte de atuar na área que gosta, então vá em frente, dê esse próximo salto 😉

  3. Rodrigo Müller 26.02.14 at 12:07 - Reply

    Podemos criar um perfil que junte as duas opções?? rsrs
    Creio que seria mais o meu caso, pois iniciei na pós com a intenção de me aprofundar em uma área específica e que não havia logrado êxito na graduação. No entanto, como minha intenção sempre foi atuar no mundo acadêmico, já tinha interesse pela produção científica na minha área de interesse, o que só fez aumentar depois de conhecer um pouquinho mais desse mundo.
    Abraços.

  4. Claudinei S dos Santos 09.03.14 at 20:15 - Reply

    Eu concordo com a divisão que fizeste, Lucas! Me encaixo mais na 1ª divisão, pois estou fazendo uma pós na própria área em que me formei na graduação. Acredito que com isto me qualifique ainda mais naquilo que estou envolvido profissionalmente neste momento da minha vida, com a possibilidade de seguir e qualificar carreira na área e na empresa onde trabalho, já que esta me oportunizou uma bolsa parcial para cursar a pós graduação. Ao mesmo tempo, a continuidade dos estudos favorece o gosto e maior adequação com o universo acadêmico/científico.

    • Lucas Shimoda 11.03.14 at 16:35 - Reply

      Que bom que a pós te ajudou, Claudinei! Pelo que vejo, você conseguiu conciliar bem seus interesses profissionais e acadêmicos, nem todas as pessoas têm essa sorte!

  5. Lauro 03.08.14 at 00:54 - Reply

    Primeiramente, parabéns pelo texto bem escrito e coeso! Lendo os comentários, fica evidente que muita gente ainda confunde as coisas. Dizer que quer fazer Mestrado ao invés de outra pós-graduação é um erro bobo. Deve-se ter em mente que existem apenas dois tipos de pós-graduação: lato sensu e stricto sensu. Não há necessidade de eu querer especificar aqui a diferença entre esses dois tipos, pois tenho certeza que a maioria sabe diferenciar.

  6. Pedro 19.09.14 at 03:44 - Reply

    Olá, bem interessante o seu texto.

    Acredito que exista um outro tipo, aquele que quer um cargo público e coçar o saco a vida inteira. Infelizmente, até mesmo na USP (que pelo que vi você conhece) existem professores extremamente… como posso dizer, vagabundos.

    E infelizmente, depois do estágio probatório, quase nada pode ser feito a respeito. Em alguns casos eles dão apenas uma disciplina e não fazem mais nada (o que equivale a trabalhar umas 3 horas por semana). Isso é tão absurdo que as vezes eu chego a pensar que são criminosos, pois estão “roubando” do Estado as outras 37 horas semanais que deveriam dedicar a USP.

    Não consigo relevar isso e nutro um certo desprezo por esse tipo de pessoa. Ainda mais com essa crise na USP, acho que seria uma ótima oportunidade de usar os meios previstos na legislação da USP (reduzir a carga horária, etc) para expulsar essas pessoas da universidade.

    Quanto a sua pergunta: Faço pós-graduação porque desejo ser um bom cientista e fazer minha parte para contribuir com a sociedade.

    Um abraço.

Leave A Comment