Ciência na internet: redes sociais

As redes sociais podem ser úteis para muito mais que apenas compartilhar fotos engraçadas e manter contato com os amigos da época do colegial. Esta semana apresento o Facebook, o Twitter e o Mendeley como ferramentas para a divulgação científica.

Antes de abordá-las melhor, tenho que alertar que a escolha da rede social depende, novamente, do conteúdo apresentado e do público alvo. Facebook e Twitter são bons para se tratar de ciência em geral, com assuntos mais abrangentes que podem interessar a uma grande fração das pessoas (que tenham relação com ciência ou não). Já o Mendeley é o local mais indicado para um relacionamento com pesquisadores e para compartilhar conteúdos e opiniões mais profundas e específicas. Sendo assim, vamos a cada plataforma:

Twitter e Facebook
Essas plataformas dispensam apresentação. São os primeiros exemplos de rede social que vêm à cabeça. Mas podem ser utilizados para divulgar ciência? A resposta é sim, mas deve-se ter em mente que essas redes apresentam algumas limitações. Primeiramente, não seria a melhor escolha para quem busca se aprofundar em algumas discussões.

Boa parte das páginas e perfis nesses locais são uma extensão de outro sítio porque, como foi dito na última postagem, de acordo com o tempo e o crescimento de um blog ou site, criar uma página no Facebook e um perfil no Twitter se torna imprescindível para manter um diálogo com os leitores. E essas plataformas são aquelas que permitem a resposta mais rápida do público, um verdedeiro termômetro dos temas que mais têm agradado.

O Twitter tem maiores limitações, pois é complicado (para não dizer impossível) apresentar conteúdo aprofundado em apenas 140 caracteres. Entretanto, criar um perfil no Twitter é fundamental para quem tem a ideia de reunir e divulgar o que encontra pela internet, através de links. Esses links podem fazer a chamada para os materiais produzidos pelo responsável do perfil ou para conteúdo científico/jornalístico em geral.

Ou seja, um perfil no Twitter pode se tornar uma referência para quem busca se manter atualizado, uma fonte das últimas novidades. Eu mesmo uso o Twitter com essa finalidade e através dos perfis que sigo, me mantenho informado acerca do que tem sido discutido no mundo científico. Nesse caso, é necessário postar várias vezes durante o dia e se manter atualizado (seguindo diversas entidades e instituições no Twitter e assinando o feed de diversos sites de ciências).

Já uma página no Facebook pode até apresentar alguma informação a mais, porém não se iluda. Não é esse o local mais indicado para se criar um verdadeiro espaço de discussão. Mas páginas no facebook podem indicar outras páginas e/ou sites interessantes, bem como servir de chamariz para o local onde discussões mais profundas serão desenvolvidas. Entretanto, para atrair o público, é preciso que a publicação tenha algum estímulo (sendo bem humorada ou controversa).

Mendeley
Muita gente utiliza o Mendeley apenas como gerenciador de arquivos bibliográficos. Mas além disso, como essa plataforma conta com a possibilidade de criar e participar de grupos (restritos ou abertos), é possível um maior relacionamento entre pesquisadores, onde pode-se adicionar textos próprios, além de ler e baixar a textos de colegas.

Nesses grupos é possível seguir a atividade dos membros, partilhar referências bibliográficas e ficheiros digitais, anexar comentários aos conteúdos e verificar o histórico de atividade. É claro que nesse caso os conteúdos serão bem mais específicos e bastante aprofundados.Não precisa se preocupar em atrair a atenção para o conteúdo, pois os interesses em comum são compartilhados em cada grupo.

É uma forma bastante proveitosa de se atualizar no que há de mais recente na pesquisa científica mundial e de manter uma relação frequente com pesquisadores do mundo todo, abrindo portas para colaborações.

Para saber mais:
Sugiro que confiram as páginas do Amor à ciência (exclusivo para o Facebook) e do Universo racionalista (ligado a um blog), que divulgam material bastante vasto, com vários links para outras páginas. Já no twitter, o Science News é um bom exemplo de conteúdo de diversas áreas, apresentando as últimas novidades ao redor do mundo.

By |2018-12-06T01:56:35+00:0026-08-2013|guia|2 Comments

About the Author:

Engenheiro Agrônomo, atualmente é doutorando em Agronomia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), em projeto conjunto com o Departamento de Qualidade do Solo, Wageningen University & Research Centre (WUR). Vascaíno, é fã de literatura e cinema e nas horas vagas gosta de se passar por escritor de terror/suspense.

2 Comments

  1. Felippe 26.08.13 at 00:33 - Reply

    O Universo Racionalista no YouTube tá me deixando sem vida social, de tanto documentário excelente que eles postam por lá.

    • Realmente, Felippe! Eles disponibilizam um material muito interessante no canal no youtube e também no site. Falta tempo para acompanhar tudo. Haverá, nas próximas postagens, um texto sobre canais no youtube, onde indicarei algumas outras opções para acabar de vez com sua vida social. Grande abraço.

Leave A Comment