Dando sequência aos artigos introdutórios em LaTeX, este artigo aborda referências bibliográficas. Como de costume, existem diferentes formas de inserir referências em seu artigo via LaTeX, então focarei em apenas uma maneira por enquanto. Existe uma infinidade de recursos em LaTeX, e com o tempo você encontrará seus pacotes favoritos.

Se você entende bem inglês, use o YouTube e os milhares de tutoriais online para melhorar sua compreensão a respeito da linguagem como um todo. A internet está cheia de materiais excelentes (como o ShareLaTeX ou a própria Wiki).

Não tenho experiência significativa com EndNote (nem outra ferramenta que funcione dentro do pacote Office), pois sempre uso o LaTeX para esse tipo de coisa. Portanto, não farei comparações. Não vou me deter nas vantagens do LaTeX aqui: pessoalmente, acho que referências em LaTeX são bastante simples e práticas.

Passo 1: entenda como criar uma biblioteca de referências

Você precisará abrir um documento em branco em algum editor de texto (de Bloco de Notas, Word a TeXShop ou TexPad: qualquer um). Agora, salve o documento em branco com a extensão .bib e vamos preenchê-lo. Existe uma sintaxe específica para inserirmos entradas em nossa biblioteca. Por exemplo, um livro seguirá estas linhas:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
@book{atalho,
  author    = {Autor}, 
  title     = {Nome do livro},
  publisher = {Editora},
  year      = {ano},
  volume    = {volume},
  series    = {serie},
  address   = {Endereço},
  edition   = {edição},
  month     = {mês},
  note      = {Anotação},
  isbn      = {ISBN}
}

É evidente que você não precisa preencher todos esses campos: apenas alguns são obrigatórios, naturalmente—coisas como “note” e “isbn” são opcionais, por exemplo. Fique atento para o primeiro comando/item (“atalho”): é ele que você usará para se referir à obra, portanto, escolha algo que seja intuitivo.

Passo 2: construa sua biblioteca usando o Google Scholar

Você certamente não precisará preencher manualmente as entradas de sua biblioteca. Para isso, usaremos o Google Scholar (scholar.google.com). Siga o exemplo abaixo:

a. Busque por “Miguel Nicolelis”, por exemplo

b. Escolha um artigo e clique em “cite”

c. Você verá uma nova janela. Na parte inferior dessa nova janela, clique em “Import into BibTeX”

d. Você verá uma nova página (txt) com a entrada do artigo no formato que queremos:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
@article{wessberg2000real,
  title={Real-time prediction of hand trajectory 
by ensembles of cortical neurons in primates},
  author={Wessberg, Johan and Stambaugh, Christopher R and 
Kralik,Jerald D and 
Beck, Pamela D and Laubach, Mark and 
Chapin, John K and Kim, Jung and Biggs, S James and 
Srinivasan, Mandayam A and Nicolelis, Miguel AL},
  journal={Nature},
  volume={408},
  number={6810},
  pages={361--365},
  year={2000},
  publisher={Nature Publishing Group}
}

e. Por fim, veja se o “atalho” (label) da entrada não é complexo demais (isso não importa se você usa um Editor de LaTeX que autocompleta, por exemplo). Além disso, verifique se não há erros (o Google não é perfeito). Agora, copie e cole essa entrada no seu arquivo .bib (que criamos no passo anterior).

Com o tempo, você terá centenas de entradas em um arquivo que contém apenas texto. Para ilustração, vamos chamar esse arquivo de “referencias.bib”. Muitas pessoas disponibilizam suas bibliotecas .bib em seus sites.

Com sorte, você pode encontrar alguém da sua área que faz o mesmo—isso lhe poupará um bom tempo. De qualquer forma, depois de escrever alguns textos e passar algumas horas no Google Scholar, você nunca mais se preocupará muito com referências: apenas adicionará autores de tempos em tempos, como faria de qualquer maneira.

Passo 3: Exemplo de citação em artigo

Vou usar o pacote {natbib} neste exemplo (há outros). Crie um arquivo .tex no mesmo diretório do arquivo referencias.bib. Veja a estrutura:

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
\documentclass[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container][fusion_builder_container hundred_percent="yes" overflow="visible"][fusion_builder_row][fusion_builder_column type="1_1" background_position="left top" background_color="" border_size="" border_color="" border_style="solid" spacing="yes" background_image="" background_repeat="no-repeat" padding="" margin_top="0px" margin_bottom="0px" class="" id="" animation_type="" animation_speed="0.3" animation_direction="left" hide_on_mobile="no" center_content="no" min_height="none"][letterpaper, 10pt]{article}
\usepackage{natbib}
 
\usepackage[portuguese]{babel}
 
\title{Meu artigo}
\date{\today}
\begin{document}
 
\maketitle
 
De acordo com \citet{wessberg2000real}, blah blah
 
\bibliographystyle{apa}
\bibliography{referencias}
 
\end{document}

Primeiro, você compilará o arquivo utilizando “BibTeX”. Depois, compilará novamente utilizando “LaTeX” (existem outros compiladores, dos quais prefiro o XeLaTeX; mais sobre isso no futuro). Isso é necessário para que, primeiro, o seu tex busque a referência no seu bib (lembre-se que são dois arquivos separados). Em alguns aplicativos, você apenas precisa dar dois comandos sequenciais: cmd+B (para bib) e cmd+T (para typeset normalmente). Parece mais complexo do que é—não se assuste. Se você não fizer isso corretamente, verá um “?” no lugar do autor.

A estrutura acima gerará a citação “Wessberg et al. (2000)”, e gerará, ao fim do documento, referências no estilo APA (para mudar o estilo, basta mudar o argumento de \bibliographystyle (há várias páginas que listam os diferentes estilos, que variam de acordo com a universidade, com o periódico etc.).

Perceba que cada comando gera um tipo de citação diferente. Alguns outros exemplos do pacote natbib:

citet{X} = autor (ano)

citep{X} = (autor, ano)

citealt{X} = autor ano

Leia mais aqui.

O sistema LaTeX para referências funciona, portanto, desta forma:

biblioteca .bib > pacote de referência desejado > estilo de referência > artigo .tex

Os dois itens intermediários dependem do que você deseja/precisa fazer. Aqui, utilizei o pacote “natbib” e o estilo “apa”. Para alterar ambos, é bastante simples—e há diversos sites que listam diferentes pacotes e estilos (incluindo abnt). Se você dominar bem a estrutura e o funcionamento de como referências são administradas, ajustar esses dois pontos certamente não será um problema.