Já faz um tempinho que acompanho o site buscando me preparar melhor para os processos seletivos na pós-graduação. Os conteúdos me ajudaram muito, porém, os comentários e relatos de experiência da galera é que foram de vital importância. Diante disso, agora já aprovada para o programa de Mestrado que gostaria, me sinto à vontade para contribuir com a minha experiência e deixar algumas dicas que considero importantes para garantir a aprovação na fase de ENTREVISTA.

1. COMPORTE-SE DE ACORDO COM O HUMOR DA BANCA
Quando eu notei que os professores da minha banca estavam sorrindo e de bom humor antes de me chamarem, já sabia que podia usar desse artifício para me sair melhor. Ou seja, na hora de explicar o meu projeto não fui tão formal nas palavras e tentei mostrar o quanto ele de fato era importante para a área e o quanto eu estava motivada para realizá-lo.

Acredito que se a banca for composta por pessoas de semblante mais sério, mais “fechado”, o candidato não pode chegar todo sorridente. Tem que dançar conforme a música para poder incentivar a empatia de quem está te avaliando.

2. CONHEÇA TUDO SOBRE O SEU PROJETO
Essa dica já apareceu em outro post, né? Mas não custa frisar a importância disso, pois é de fato MUITO IMPORTANTE. Você pode até pensar “ah, mas fui eu mesmo quem escreveu o projeto, sei de cabeça todos os pontos dele, só preciso dar uma olhada na última hora para lembrar”. Cara, não faça isso. O projeto tem justificativas importantes, tem bons argumentos, tem dados, tem conclusões excelentes (tem! Se ele foi aprovado é por que tem).

Logo, você precisa saber isso de forma perfeita. Na hora, com aqueles olhinhos te olhando, com a pressão do tempo, com a pressão do que tudo isso significa para você, vish! Esquecer de tudo e não saber falar é o mais provável de acontecer.

Eu mesma estudei o meu projeto dia e noite, fiz um mini roteiro mental do que diria, na ordem que diria, quando diria, e na hora H fiz tudo diferente. Mas…eu podia fazer isso por que de fato conhecia o meu projeto de “cabo a rabo” então tinha como explicá-lo bem de uma forma diferente da idealizada originalmente. Portanto, foco no projeto!

3. ENTENDA O TIPO DE ANÁLISE PROPOSTA NO SEU PROJETO
Não basta você dizer “Quero fazer uma análise quantitativa”. Os professores podem te questionar, “Mas por que exatamente você acha que esse tipo de análise é a melhor para esse caso?” E aí, se você não souber responder, tchau tchau. Tem que saber o porquê de tudo que está no seu projeto. De tudo!

4. COMPREENDA COMO FUNCIONA O MUNDO DA PESQUISA
Caso você tenha feito uma boa graduação, participado de projetos de pesquisa, tenha sido bolsista, tudo fica mais fácil. Você vai saber se esquivar das perguntas numa boa. Porém, essa não é a realidade da maioria dos formados, então você vai ter que procurar saber como o mundo da pesquisa funciona. O que é um artigo, como ele é publicado, como funciona o sistema Qualis dos periódicos, esse tipo de coisa.

Na hora da minha entrevista uma das perguntas foi “Como você pretende multiplicar os dados levantados na sua pesquisa? Como eles podem de fato ser úteis para o avanço das pesquisas nessa área?” Essas coisas você tem que saber! Orientador não quer aluno “cru” daqueles que tem que ensinar tudo do começo ao fim. Se ele notar que você já é esperto nessas coisas já vai pensar “esse cara sabe trabalhar sozinho, não vai ficar dando trabalho” e aí suas chances de aprovação sobem bastante.

5. CONHEÇA SUAS REFERÊNCIAS
As referências que você utilizou no seu projeto já mostram a linha de pensamento que você está mais inclinado a concordar. O mundo acadêmico é vasto, ou seja, opiniões, explicações e teorias diferentes são um elemento constante. Portanto, conheça o autor que você está citando, saiba a importância dele para sua área, saiba se ele está vivo ou morto, em que instituição trabalha, isso tudo pode te ajudar a entender melhor o contexto dele e consequentemente suas ideias.

Uma dica muito valiosa: Utilize as mesmas referências que o seu futuro orientador usa. Como saber isso? Vá no lattes dele, encontre os artigos que ele publicou e aí você vai encontrar os autores em que ele se baseia. Isso vai te dar bons pontos na hora da seleção. Ninguém quer orientar em uma linha em que não concorda, não é mesmo? Seu orientador também não vai querer, então, mais uma vez “dance conforme a música”.

6. NÃO SE APEGUE AO SEU PROJETO!
Eu sei, dá o maior trabalhão construir o projeto do zero e torná-lo viável para ser aceito. Dá até um sentimento de “Esse é o melhor projeto do mundo” depois de tanto trabalho para fazer ele, não é mesmo? Eu sei, quando você termina o projeto é por que suas ideias já estão todas nele, então é justo pensar que ele está pronto e acabado para ser executado assim.

PEIMMMMMMMM! (Isso é para ser um sinal sonoro) CUIDADO! Muito cuidado e calma nessa hora.

Se você acabar se apegando ao seu projeto suas chances de não ser aceito vão aumentar! Pensa aqui comigo: Você está apenas iniciando sua vida profissional nessa área, você está apresentando sua ideia de pesquisa para pessoas que respiram esse tema há muitos e muitos anos, que estão carecas de saber sobre isso, enfim, que tem uma base muito ampla e sólida nisso que você recém está entrando.

Seja coerente! Se te perguntarem: “Seu projeto está fechado, acabado?” A única resposta possível é “Não”. Isso não vai passar uma imagem de desconhecimento e sim uma imagem de humildade e maturidade. Professor nenhum quer aluno arrogante que mal saiu das fraldas ditando regras e ideias aqui e acolá. Claro, complemente sua resposta: “Meu projeto foi criado dentro do que sou hoje como profissional, dentro das minhas possibilidades e limitações. Não acredito que ele esteja totalmente perfeito e acabado, pois ainda preciso das aulas do curso, das orientações dos professores mais experientes e de mais estudo para deixá-lo pronto”.

Portanto, nada de se apegar ao projeto e dizer coisas como “Ele está pronto assim e nada nele precisa ser alterado”. Precisa, sempre precisa, você sabe disso.

7. SEJA CLARO!
O tempo passa voando na entrevista. Não tem como você ficar fazendo rodeios para responder uma pergunta. Seja objetivo e franco. Se te perguntarem “precisa de bolsa para fazer o curso?” Você precisa ser totalmente claro e sincero. Se fazer o curso está totalmente atrelado ao ganho da bolsa, diga.

Se você acharia bem legal ter a bolsa mas ela não é essencial, diga também. Na minha entrevista utilizei “A existência da bolsa me ajudaria muito, porém se não ganhar, ainda assim vou fazer o curso até o fim, pois ele é a minha prioridade e o meu maior desejo no momento”. Simples assim.

8. SEJA SINCERO!
Na minha entrevista rolou de tudo. Foram 30 minutos muito bem gastos! Os professores faziam perguntas que eu sabia exatamente como responder, outras em que eu tinha dúvidas e algumas onde eu tive vontade de dizer, “Mas assim vocês estão querendo me matar!” Juro! Algumas perguntas eu realmente não consegui encontrar uma resposta. O que fazer nessas horas? Inventar? Tentar enrolar? Nada disso!

Já disse antes que os professores são muito experientes nessa área, ou seja, se você ficar inventando vai acabar falando bobagem e eles vão perceber. Seja sincero. Se você realmente não sabe algo, aceite isso. A minha saída foi dizer “Esse ponto é realmente nebuloso para mim nesse momento, porém tenho certeza que o curso vai dar conta de preencher essa lacuna e que isso não será um problema no futuro”. Pronto.

Claro que os professores esperam em você a postura de um profissional, você já é formado, já se espera o mínimo de conhecimentos. Porém, ninguém é obrigado a saber tudo na ponta da língua (sem mencionar o fator “nervosismo” que afeta bastante também) e é muito digno dizer “não sei mas tenho certeza que saberei da próxima vez que me perguntar”. Honestidade sempre ganha pontos.

9. QUE ROUPA USAR NO DIA DA ENTREVISTA?
Essa pergunta me perturbou muito nos dias anteriores à minha entrevista. Se você já conhece os professores isso até pode não ser tão problemático, afinal eles já te viram, já sabem como você se veste, vocês já se conhecem. Todavia, se você está entrando em um programa em que não conhece nenhum professor essa dúvida sobre roupas é quase certa de acontecer.

Minha dica é: Vá com uma roupa confortável. Pensa aqui comigo, você já está nervoso(a) pela situação em si, vai ficar quebrando a cabeça com roupa? Não né! Os professores querem analisar o seu conhecimento e não as roupas que você usa. Claro, o mínimo de bom senso sempre é bom: cabelos penteados, barba feita, unhas cortadas, nada de chinelo havaiana ou bermudas, etc, etc… o básico que todo mundo sabe.

Na minha seleção eu fui com uma calça jeans, uma camisa e um sapato baixo. Não usei maquiagem, pois onde eu moro é muito quente. Já pensou começar a suar e ficar com a cara parecendo o Coringa? Ia ser um tiro no pé. Também vi pessoas arrumadas como se estivessem indo para uma festa, joias, unhas enormes, maquiagem pesada, relógios imensos.

Enfim, cada um vai como se sentir melhor, se o seu estilo do cotidiano é mais simples, vá assim para a entrevista, nada de querer inovar nesse momento. Essa é a hora de você aparecer pelo seu conhecimento e não pelas suas roupas e acessórios.

10. FALE BEM!
Falar bem, com um volume adequado, com boa dicção e voz não é para todo mundo, mas mesmo assim, nessa hora você precisa mandar bem nesse aspecto! Pesquisadores constantemente são chamados para apresentar suas produções em seminários e eventos científicos.

Se os professores da banca perceberem que você fala de forma errada e sem convicção, como podem acreditar que você vai defender as pesquisas (e consequentemente o grupo de pesquisa na qual ela está vinculada) de forma positiva? Pois é, tudo conta para ser aceito em um programa de pós-graduação. Portanto, não tenha medo, abra os pulmões e fale tudo que você tem para falar com absoluta segurança.

Não fique com medo da banca, são só pessoas assim como você e eu, não são deuses (ainda que alguns pensem que são). Imagine que eles são pessoas que você gosta e se sente à vontade e solte a voz! Essa é uma forma de você conquistar a confiança das pessoas que te analisam, passando…CONFIANÇA.

Enfim, essas foram as 10 dicas que nasceram da minha experiência e que julguei importante dividir com o pessoal aqui do site, já que esse mesmo pessoal já me ajudou tanto antes da minha aprovação. Boa sorte para todos nos seus processos seletivos!

Texto escrito por Bianca Bueno, mestranda em Educação.