Concursos públicos para professor universitário: a Prova Didática

A maioria dos concursos públicos para professor universitário é composta de três etapas: Prova Escrita (de caráter eliminatório e classificatório), Prova Didática (de caráter eliminatório e classificatório) e Prova de Títulos (de caráter classificatório). Concursos para Professor Adjunto incluem ainda uma Prova de Defesa do Memorial, de caráter apenas classificatório.

A Prova Didática é realizada com o objetivo de avaliar a capacidade de planejamento de aula e de comunicação do candidato, assim como seu conhecimento da matéria e sua capacidade de síntese. Em concursos públicos, a Prova Didática é realizada em sessão pública, perante uma banca de professores selecionados pela instituição, sendo normalmente vedado aos demais candidatos assisti-la.

A duração da aula apresentada na Prova Didática irá variar de acordo com o concurso, mas os editais geralmente limitam o tempo de apresentação entre 40 (mínimo) e 60 minutos (máximo). O tema é sorteado entre uma lista descrita no edital, quase sempre com 24 horas de antecedência.

Se o edital apresenta uma lista com dez temas, um candidato bem preparado irá para o concurso com dez aulas prontas. Como na maioria das vezes utiliza-se a mesma lista de temas para as provas escrita e didática, ao preparar as dez aulas o candidato está também estudando para a prova escrita.

Não é raro encontrar candidatos que desistem do concurso após verem sorteado um tema para o qual não estavam preparados. Por isso, prepare-se o suficiente para sentir-se confiante independentemente do tema da aula.

Para se preparar para a Prova Didática, faça o caminho inverso: preste atenção nos itens que serão avaliados pelos professores da banca. Caso o edital do concurso não deixe claro os critérios de avaliação da Prova Prática e os pesos de cada um, os mais comuns são:

I – PLANEJAMENTO/PLANO DE AULA (ATÉ 1,0)

Determinação dos objetivos da aula
Listagem do conteúdo programático
Indicação dos procedimentos didáticos
Indicação dos recursos auxiliares
Apresentação dos recursos de avaliação
Bibliografia

II – DESENVOLVIMENTO (ATÉ 9,0)

Comunicação dos objetivos
Domínio do conteúdo
Adequação aos objetivos
Relevância dos itens selecionados
Organização sequencial
Postura: comunicabilidade, motivação e criatividade.
Atualidade das informações
Clareza e objetividade
Ilustração com exemplos
Uso adequado dos recursos auxiliares
Conclusão: revisão, aplicações, etc.
Adequação à duração prevista

SUGESTÃO PARA AVALIAÇÃO DA ARGUIÇÃO

ELEMENTOS A SEREM OBSERVADOS

Princípios da área, leis gerais (enfocados na explanação do assunto);
Interdependência do assunto com a área
Problemas relacionados ao conhecimento, referentes ao assunto, de ordem técnica/laboratorial/de investigação ou de informação/comunicação/divulgação.
Atualidade do conteúdo do assunto apresentado;
Informações advindas de outras áreas, utilizadas na explanação (pluridisciplinaridade)

By |2016-01-13T19:31:38+00:0022-05-2012|docência, guia|51 Comments

About the Author:

Criador e editor de conteúdo do blog, é portador de uma imaginação hiperativa e de uma necessidade patológica de estar sempre bem-humorado. Acredita que a Pós-Graduação, como tudo na vida, pode ser interessante, divertida e descomplicada.

51 Comments

  1. Danilo monteiro 22.05.12 at 14:26 - Reply

    Vale ouro isso

  2. Anelise Yano 22.05.12 at 18:36 - Reply

    Vou fazer uma na quinta-feira. Adorei as dicas.

  3. Danielle Marie 22.05.12 at 18:57 - Reply

    Ótimas dicas!

  4. Danielle Marie 22.05.12 at 18:58 - Reply

    Muito importante essa matéria! Parabéns!

  5. Gabriela 22.05.12 at 20:20 - Reply

    Olá, ótimas dicas. Queria mais dicas em relação ao andamento da aula. Tipo, se não tiver alunos assistindo (só a banca) a gente deve fingir que tem alunos? Deve tentar interagir com a banca, mesmo que ela não responda? É que algumas areas, como a minha, pedem que a aula não seja somente teórica. Ou seja, ir no quadro e esmiuçar um conteúdo. Mas oferecer uma aula que tenha encaminhamentos práticos e tal, resumindo, que não seja uma simples aula expositiva. Vcs teriam mais dicas pra mim? Valeu!

    • Diego Guerra 11.03.13 at 19:03 - Reply

      Gabriela, você deve ministrar uma aula como se fosse para alunos, mas, infelizmente, você não poderá interagir com a banca (ou pelo menos ela não irá responder suas perguntas ou coisa do tipo).

  6. Rafael 03.10.12 at 07:51 - Reply

    Tenho exatamente as mesmas dúvidas da Gabriela…

  7. Fuligem Zootecnia 25.11.12 at 10:44 - Reply

    Excelente!
    Teria dicas da prova escrita?

  8. Juliana 14.02.13 at 18:49 - Reply

    Tenho uma dúvida, pois minha dificuldade é saber quanto tempo já falei e quanto ainda devo falar para fechar o tempo da prova didática. Gostaria de saber se pode olhar no relógio o tempo.. pois no dia, nervosismo e tal.. acabo falando menos tempo que o necessário.

    • Diego Guerra 11.03.13 at 19:05 - Reply

      Você deve levar um relógio. No meu concurso eu levei um colega e o coloquei para assistir à aula. Pedi que ele levantasse a mão a cada 5 min para que eu pudesse ter o controle do tempo.

      • Eduardo 21.04.16 at 11:34 - Reply

        hahaha…MITO!!

  9. Ivo Calado 11.05.13 at 16:17 - Reply

    Katia, o caráter eliminatório consiste da necessidade de se obter uma nota mínima para aprovação. Por exemplo, em geral na prova escrita a nota mínima é 7,0. Caso nenhum candidato atinja essa nova não haverá aprovados.

    Em relação a ponderação das provas, depende muito do edital.

  10. Ivo Calado 11.05.13 at 16:21 - Reply

    Um dos problemas que vejo é em relação a questão do tempo da prova didática. Em alguns concursos é estipulado tanto um tempo mínimo quanto máximo. Enquanto que outros só é definido um tempo de avaliação (sem estar relacionado a mínimo ou máximo)

    Por exemplo, fui aprovado em um concurso onde se definia o tempo mínimo e máximo (30 e 50 minutos, respectivamente e caso o candidato ultrapasse os 50 min a banca interrompe a apresentação) Deste modo é fácil se organizar.

    Por outro lado, já fiz um concurso onde apenas se colocava o tempo de prova (50 min) sem mencionar se isso representava um tempo mínimo ou máximo. Acabei penalizado e desclassificado porque fiz apenas 45 minutos….

  11. eloi 14.08.13 at 17:47 - Reply

    Prova didática é sorte. Se a banca for com sua cara, amém. Caso contrário você dança. Mesmo dando uma aula perfeita a banca pode reprovar. Ainda que os avaliadores sejam professores piores que o candidato. O MEC deveria exigir que as aulas fossem gravada em vídeo e assim na controvérsia, uma nova banca avaliar.

  12. ana clara 25.11.13 at 14:32 - Reply

    Agora percebo porque minha mae me incentiva a fazer medicina. Assim que me formar, poderei colocar um DRa na frente de meu nome, ganhar uns R$ 300,00 por consulta ou no minimo dez mil no programa mais medicos. Ainda se fizer uma grande descobert, poderei salvar milhares de vida. Olha, nao me xinguem, mas os medicos obteram o direito de usar DR muito antes de inventarem os cursos de doutorado. Sou muito nova, mas acho que tudo isso e problema de autoestima ou vaidade.

    • Dirce 02.08.14 at 15:41 - Reply

      Ana Clara, se nem o que vc está lendo nem para quem o assunto é dirigido vc está conseguindo identificar, antes de querer ser médica, vc poderia pelo menos fazer um cursinho de interpretação de textos, pois vc está com sérios problemas de alfabetismo funcional, querida, não se trata de vaidade ou auto estima.

    • Daniela 09.02.15 at 10:52 - Reply

      Ana Clara,
      Você realmente acha que seus professores da Universidade de Medicina em que estuda não fizeram concurso para lecionar? Alô! Vai entrar em site de resumo de anatomia, acho que você se perdeu procrastinado na internet.

    • Andréia 23.05.15 at 09:48 - Reply

      O problema de interpretação aqui não foi seu. Acho que, na ansia de contestar e criticar, as pessoas não intenderam – ou não quiseram entender – o que vc quis dizer… Uma pena tanta gente mal educada no mundo.

      • Andréia 23.05.15 at 09:50 - Reply

        O problema de interpretação aqui não foi seu. Acho que, na ansia de contestar e criticar, as pessoas não entenderam – ou não quiseram entender – o que vc quis dizer… Uma pena tanta gente mal educada no mundo.

  13. Wagner de Barros 11.12.13 at 17:57 - Reply

    As dicas são excelentes. Porém, infelizmente, em alguns concursos o critério principal é a tal da “afinidade”… ( curriculum, projeto e didática perdem para o tal do Quem Indica)

  14. Charles 15.01.14 at 10:03 - Reply

    Ter ou não ter o título de Doutor é um mero detalhe. Existem muitos doutores que sabem pouco, e “não doutores” que sabem muito. Se você acha legal poder se formar e já colocar um “Dra” na frente do seu nome, vá em frente.

    P.S: não se diz “obteram”, mas sim “obtiveram”.

  15. Danielli 28.01.14 at 08:46 - Reply

    Hãn?!

    Estamos falando de banca para seleção / aprovação de professores. Só pra contextualizar ok! acho que alguém não entendeu rsrs

  16. Danielli 28.01.14 at 08:48 - Reply

    Amei as dicas, muito úteis. Vou participar de um que não estabelece tempo mín/máx, foi bom saber que devo tentar me aproximar ao máximo do tempo estabelecido, estava com esta dúvida.
    Obrigada pelas dicas!

  17. Marcelo 03.02.14 at 14:39 - Reply

    Achei as dicas ótimas!!! Muito legal também os comentários dos colegas… Com a troca e o diálogo, teremos sempre possibilidades de avanço!!!

  18. carlos 04.02.14 at 12:34 - Reply

    carlos

    Tenho uma dúvida o tempo que seria destinado para os alunos realizarem exercícios deve ser cronometrado?

  19. Fla 28.02.14 at 19:04 - Reply

    Ola,,,,
    Tem modelo ou dicas de prova oral de defesa de conhecimento?

  20. Carlos 04.03.14 at 13:51 - Reply

    Olá! Sou professor há muito tempo e não concordo com Prova Dissertativa como prova escrita para concurso que seleciona professores de Matemática. Quero dizer também que a prova didática é TOTALMENTE subjetiva, pois JAMAIS saberemos quando demos uma boa aula. Até quando somos muito seguros do tema, nunca sabemos se “eles” gostaram de nossa aula, mesmo que “eles” tenham menos conhecimento que a gente, é imprevisível saber se gostaram. Gostaria muito de ver um modelo pronto de Plano de Aula na área de Matemática que beirasse a perfeição, pois colocar com tema “Trigonometria” é muito vago para os concorrentes.

  21. Eliane 15.03.14 at 18:11 - Reply

    concordo com o eloi, as aulas deveriam ser gravadas

  22. so 15.03.14 at 22:51 - Reply

    Muito boas as dica, mas tenho uma dúvida referente a prova escrita, elas são em forma de produção textual ou questões dissertativas?

  23. Rafael 18.03.14 at 16:02 - Reply

    Olá

    Obrigado pela excelente matéria.

    Gostaria saber um pouco mais sobre o plano de aula…..tudo que coloco neste plano deve estar explicito na aula? Por exemplo…..coloco algum tipo de avaliação do que foi dito durante a aula….esta avaliação deve ser mencionada por mim ao final de minha apresentação como se eu fosse avaliar os alunos naquele momento? obrigado!

  24. fabio_oliveira 09.04.14 at 07:52 - Reply

    Bom dia,

    Muito bacana o tópico apresentado. Entretanto, tenho uma dúvida…Como se preparar para uma prova oral para a defesa de conhecimentos ???

  25. Ana Paula 06.06.14 at 11:53 - Reply

    Dicas muito valiosas!!!! Fiz a prova uma vez e me senti uma aluna apresentado um trabalho…foi horrível…agora vou fazer novamente, e com essas dicas vou estar mais preparada. Agradeço a vocês!!!!

  26. josé aparecido pereira 10.07.14 at 11:34 - Reply

    olá, vou participar de uma banca do SESI, o meu tempo máximo de apresentação é de 15 minutos, devo apresentar um plano de aula focado em alunos do 1º ano do curso técnico em lazer. Minha duvida é: Devo apresentar somente o plano de aula para a banca ou devo também apresentar os conteúdos como se estivesse na sala de aula aplicando aos alunos, ou até mesmo as duas situações e nesse caso com seria a ordem correta?

  27. Mux 10.07.14 at 14:56 - Reply

    Olá Tenho uma séria dúvida acho que ninguém percebeu, mas essas provas são ilegais pois não se pode ter nenhum concurso com provas subjetivas. Os professores que eu vi entrando nesse tipo de prova deveria ser exonerados e deveriamos contratar como no ensino básico apenas quem pontua em provas objetivas. Além disso fui vetado em diversos concursos na minha área mesmo tendo título de doutor revelando a idiotice que é a contratação em faculdade pública no Brasil. Contratam sem critério. Pela cor do powerpoint e existem casos mais graves ainda os professores são indicados.

  28. Antonio 08.09.14 at 16:35 - Reply

    A minha dúvida é se devemos abordar todo o tema ou apenas aprofundar em uma parte.

  29. Lineker 24.11.14 at 21:47 - Reply

    A minha dúvida é a mesma que a do Antônio, pois os conteúdos programáticos colocados para a prova didática são muito amplos. Devemos abordar o assunto no todo ou focar em uma parte apenas?

  30. Lara 05.12.14 at 07:45 - Reply

    Gostaria de saber se na prova escrita para docente em universidade estadual é possivel consultar bibliografia

  31. Roger 13.01.15 at 07:42 - Reply

    Concordo plenamente com você. Já vi exemplos de aulas não muito boas e o candidato passar sem problemas. Outros, apresentam uma aula muito boa e são reprovados. É um sistema de ensino que mostra até o ultimo momento que serve mais para excluir do que para selecionar. A prova didática é muito subjetiva. No momento não são avaliados apenas conhecimentos e clareza de ensino com recursos metodológicos. Mas existem itens ocultos na avaliação: roupa, cheio do candidato, carisma, as vezes cor de pele, orientação sexual (é visível se o candidato é gay ou hetero). Isso tudo e muitos outras variantes (não ir com a cara do candidato) conta na hora de aprovar. Além de tudo isso, ainda existam candidatos com formação melhor do que a banca: Com doutorado e com possibilidades de ser um forte concorrente depois de aprovado, dentro da própria universidade. Então o/a presidente da banca (que é professor(a) efetivo(a) da universidade que você está concorrendo, não vai querer um candidato muito forte que vai sobressair). Logo, REPROVAÇÃO é o jeito mais fácil de se livrar de um futuro colega-estrela. Enfim, avalia-se tudo em uma banca. O governo deveria acabar com essa “farra do boi” em que alguns professores se arvoram na função de juízes com total desrespeito e cinismo para com os candidatos, mas tudo isso envolto em uma falsa aparência de seriedade, de isenção, de perfeição. Para no final, com o candidato REPROVADO esse mesmo candidato até achar que não é bom mesmo para o cargo. Existe casos e casos a analisar. Mas com CERTEZA absoluta a banca de concurso para professor, tal como conhecemos NÃO É A MELHOR OPÇÃO para avaliação. O governo federal deveria promover exames como o ENEM para professores. Assim, os professores fariam apenas uma prova e ficariam no cadastro geral de aprovados. Assim, as universidades poderiam abrir vagas em função desse cadastro de professores aprovados. É lamentável em que coisa a Educação tenha se tornado: um terreno mais para REPROVAR do que para APROVAR o ser humano. Um professor ainda tem a capacidade de detonar com a auto-estima do aluno/candidato cortar a criatividade e fazê-lo arrepender amargamente de ter escolhido essa área que eu considero uma da mais perigosas para a saúde mental. A classe de professores é muito desunidade e não perde a chance de detonar com um colega. Diferente da classe médica ou jurídica ou engenharia, ou psicólogos, nutricionistas e demais áreas: todos tem um código de ética JÁ INCORPORADO naturalmente entre seus membros que é o de não apontar os defeitos dos outros, os erros de um colega de área. Você já viu um medico falar mal de outro colega? Professor não só fala mal como não perde a chance de detonar um colega numa banca examinadora. Aconselho a quem tem chance, de ABANDONAR essa profissão, ou ser proprietário dela com alguma escola, faculdade, etc porque como empregado nessa profissão não vai te levar muito longe.

    • Aila Sampaio 07.08.15 at 07:21 - Reply

      Suas ponderações são perfeitas!

  32. Valber 15.04.15 at 21:10 - Reply

    A prova didática deveria ser feita por um comitê multiprofissional de uma instituição especializada, no mínimo. Os critérios são TOTALMENTE subjetivos. Não adianta dominar o assunto. Apresentar organização no material. Objetivo. O que importa, de fato, é ter um histórico de boa relação com a banca. Um exemplo claro de direcionamento é a existência de tópicos por demais abertos e com possibilidade de diversas interpretações. Novamente, levanta a mão quem nunca teve um professor (senão todos) com a pior didática possível. Repensando a vida, diante de muitos fatos, verifica-se que a vida de professor de ensino superior público é formado por favores…

  33. Mika 16.06.15 at 20:21 - Reply

    Na prova escrita, dá tempo de fazer rascunho? E quantas páginas em média pode-se considerar suficiente?

  34. Joao Paulo Alves 26.08.15 at 16:02 - Reply

    Muito bom seu blog,

    Boas dicas

  35. patricia 02.10.15 at 19:21 - Reply

    olá, seria entao um plano de aula mesmo, nao a apresentação de um plano de ensino?

    • Pós-Graduando 03.10.15 at 09:27 - Reply

      Sim. E você pode reparar que “plano de aula” é o termo utilizado na maioria dos editais.

  36. Daniela 19.01.16 at 08:47 - Reply

    Bom dia! Em relação ao plano de aula, deve ser colocado os critérios de avaliação ou somente os objetivos, conteúdo programático e procedimentos didáticos?

  37. Priscilla 04.02.16 at 13:47 - Reply

    Ótimas dicas! Muito obrigada!

  38. Wellington 28.02.16 at 14:34 - Reply

    Sou fa área de Letras. Tem alguma sugestão para prova escrita? Escrevemos como se fosse dá uma aula? Utiliza teóricos para fundamentar? Como devo proceder na prova escrita?

  39. Nadirjane 15.06.16 at 11:37 - Reply

    Acabei de ser eliminada juntamente com mais 30 candidatos, de um total de 35 inscritos exatamente e unicamente por não cumprimento do tempo. Não atentei a esse detalhe crucial e me decepcionei, pois não sabia que eliminava, achei que poderia até perder pontos, mas fomos literalmente cortados do processo restando apenas 4 para as 3 vagas disponíveis.

  40. Gildson Soares de Melo 26.06.16 at 22:04 - Reply

    Irei passar por uma prova didática amanhã, obrigado pelas dicas valiosas.

  41. Tatiana Tenório 12.10.16 at 18:06 - Reply

    Quantas linhas pode haver na prova dissertativa? Tem limite de linhas? No edital que irei fazer fala somente o tempo de 4 horas.

  42. Valdéres 02.09.17 at 08:04 - Reply

    Estou fazendo Pós Graduação em Letras, para a eliminação de uma disciplina, Crítica Literária será aplicada uma prova como as aplicadas para concurso de docente em Universidade Estadual, sendo que faço meu mestrado na Unesp, tem algum modelo de prova para docente que você me indicaria?
    Quanto as dicas acima, Parabéns!!!

Leave A Comment