O Erasmus é um programa europeu que visa proporcionar o intercâmbio de estudantes de graduação dentro do continente, trazendo para os jovens a oportunidade de conhecer outras culturas, línguas e universidades. Mas, por que escrever isso em um site sobre pós-graduação?

Porque sim, mesmo não sendo europeu e nem fazendo graduação, há para nós possibilidades de dizer, “Yes, I am an Erasmus!”.

Como? Por meio do programa Erasmus Mundus, que é um braço deste programa e trás possibilidades para estudantes do resto do mundo de também conhecer as possibilidades de estudos na Europa.

Há três programas específicos para nós, latino-americanos, concorrermos a ótimas bolsas de estudos em programas igualmente ótimos por vários países da Europa. Estes programas são o “Preciosa”, o “Babel” e o “Mundus Lindo”, que oferecem oportunidades diversas em quase todas as áreas de estudos.

Há aqueles que se sentem um pouco intimidados com a burocracia que envolve a concessão destas bolsas, mas nada mais lógico que ela existe, pois se trata de programas bons e de grande concorrência. Para aqueles que não se encaixam nas “áreas prioritárias” do Ciências Sem Fronteiras, é uma boa oportunidade para incrementar o currículo com uma experiência internacional.

Cada um dos programas tem seus prazos e cursos específicos, mas vale muito a pena investir um tempo para ler com atenção as especificidades e as regras de cada um, pois geralmente os programas oferecidos são convênios entre mais de uma universidade e oferecem a possibilidade de fazer o curso em dois ou três países diferentes.

Os requisitos de seleção são geralmente os mesmos, como o rendimento acadêmico, produção e projeto de pesquisa, além da aceitação de um professor orientador. Há também a necessidade de estar atento aos “grupos” nos quais você se encaixa, pois existem universidades parceiras, que facilitam o acesso de seus acadêmicos ao processo, mas também há grupos para aqueles que não fazem parte destas universidades.

Como todo processo de seleção para bolsas de estudos, é um processo cansativo e desgastante, mas com certeza a experiência valerá todo este esforço.

Financeiramente falando, este programa oferece um subsídio financeiro suficiente para a vida no país de destino, cobre as despesas com o deslocamento e a acomodação, seguros e outras despesas, mas você terá que arcar com os custos do processo, como transcrições, vistos e os demais expedientes administrativos.

Falando do ponto de vista desta que vos escreve (e que pretende aplicar para o programa), esta é uma experiência que, além de acadêmica, é uma grande aprendizagem de vida, pois oferece vivências em países e cultura diferentes, que podem ser enriquecedoras seja na vida profissional ou pessoal de todos.

Como alguém que acaba de retornar de um intercâmbio (sem ser “erasmus”), posso dizer que parece ser muito prazeroso dizer “Yes, I am an Erasmus”, pois isto pode te dar vários descontos e significar entrada em várias badalações, se você tiver tempo para isso.

O que é necessário ter em conta, além do curso escolhido, é quais são seus objetivos com este curso e as possibilidades de aproveitamento deste quando do seu retorno ao Brasil. Se você busca um curso pleno no exterior, vale também ficar atento aos cursos semelhantes no Brasil e quais são as possibilidades de revalidação.

No mais, o conselho singelo que posso lhe dar é capriche no projeto, vá treinando o inglês e boa sorte!