Muitas pessoas (como eu há alguns anos) acreditam que fazer um mestrado/doutorado em uma universidade considerada um grande centro de pesquisa é sinal de que irá aprender mais, que irá conseguir ter mais publicações, ou que será muito bom para engrandecer o currículo.

No entanto, nem sempre é assim. Em muitos casos, mudar de cidade para fazer pós-graduação em uma “boa” universidade pode ser uma péssima escolha e/ou resultar em decepções.

No meu caso, antes mesmo de concluir a graduação, eu já havia decido fazer Mestrado e Doutorado em seguida.

No processo seletivo para o Mestrado, fui aceito em duas universidades: uma com conceito CAPES 6 – atualmente é 7; e a outra com conceito CAPES 3 – atualmente é 4.

Obviamente, por ter a ilusão de que a nível 6 seria melhor para minha carreira acadêmica, optei por deixar a minha cidade e ir morar em outra cidade que eu nunca havia morado antes.

E, assim, eu o fiz.

Após muita dificuldade para encontrar um lugar razoável para morar (um minúsculo quarto ao fundo de uma casa), me matriculei e comecei a cursar as disciplinas.

Depois de algumas semanas, comecei a perceber que eu não estava me sentindo feliz.

Então, como ainda daria tempo de voltar para a minha cidade e me matricular na nível 3, eu joguei minhas roupas na mala e retornei rapidamente.

Sem dúvidas, foi a melhor escolha que eu fiz.

Em menos de 1 ano, tive pelo menos 3 publicações de artigos completos – os quais contribuíram para a escrita da minha dissertação.

Além disso, minha dissertação obteve uma importante premiação nacional na área de pesquisa.

No processo seletivo para o Doutorado, fui aceito em uma outra “boa” universidade – nível 6 – em outra cidade.

Dessa vez, foi diferente.

Encontrei um bom lugar para morar, me matriculei e fiquei durante 7 meses me sustentando com o próprio dinheiro porque não conseguia ser contemplado com uma bolsa de estudos.

Após praticamente esgotar minha renda, tive retornar mais uma vez para a minha cidade de origem.

De forma semelhante, porém após perder 1 semestre, me matriculei na mesma instituição onde fiz o Mestrado. Novamente, em menos de 1 ano, tive pelo menos 3 publicações de artigos completos.

Portanto, com base na experiência que tive, a conclusão que cheguei é que, nem sempre, é uma boa escolha ir para uma instituição de ponta levando apenas em consideração o conceito do local.

Antes de tomar uma decisão, é necessário levar em consideração diversos fatores.

Por exemplo, será que realmente você será feliz lá? Será que, permanecendo em uma universidade com um conceito menor, você não poderá ter melhores condições de aprender mais e, consequentemente, produzir mais?

As respostas para perguntas como essas são fundamentais na sua decisão. Se você está em uma situação parecida, pense bastante e lembre-se sempre:

Não importa onde você esteja e o que você quer. O importante é você ser feliz e estar bem consigo mesmo. O restante é fácil conseguir“.