Oi pessoal do posgraduando.com!

Começa hoje uma série de artigos sobre pós-graduação no exterior. Tanto mestrado, quanto doutorado. A ideia é ser um tipo de “tira-dúvidas” para quem está meio perdido com tanta informação.

Vou tentar ser o mais claro possível e não vou negar que muitas respostas serão baseadas na minha experiência e na de alguns amigos.

O tema é muito extenso e não é possível escrever tudo em um artigo só! Então, pelo menos uma vez por semana postarei algo novo. Espero que no fim, esteja mais claro como é o processo todo de vir para fora.

Você não encontrará aqui a “fórmula mágica” para sair do país, e sim uma discussão sobre os passos que você deve – ou deveria – tomar.

To leave or not to leave? – O começo.

Praticamente todo mundo que está em algum curso superior já se perguntou se vale a pena ir para o exterior ou, como ir. Quais são as diferenças? Como a pesquisa do Brasil é vista lá fora? Quais as dificuldades? E por aí vai.

Geralmente digo que vale muito o esforço! Não só pelo crescimento acadêmico como pela experiência de vida.

Em meio a tanta informação e incerteza, é fácil se perder completamente. Ao longo das colunas, abordarei vários temas relacionados à pós-graduação no exterior, tentando incluir as experiências que tive quando me candidatei. Todas as dúvidas são bem-vindas e os textos ficarão muito mais ricos tendo feedback de vocês!

Como o processo todo pode durar facilmente um ano, consumir noites de sono, litros de café e ter muitos contratempos, vamos logo para o que interessa!

Se candidatar a uma vaga no exterior é como um emprego. Você tem que mostrar o porquê de ir para a universidade “X” e por que eles deveriam aceitar você! Por isso, o primeiro e fundamental passo é: conheça a instituição para a qual você quer se inscrever! Professores, grupos, alunos, e por aí vai.

Ok. E, como eu conheço alguém que está a 10.000km? Explica aí! Sem dúvida, não é tão simples assim, mas:

– Converse com seu orientador!
Raramente um doutorado no exterior se consegue sem mestrado ou sem iniciação científica. Então, se quer vir para fora, vá já para um grupo de pesquisa!

– Tenha iniciativa!
Não dependa de outras pessoas para dar seus passos.

– Participe de congressos e exponha seus trabalhos.
Seja comunicativo, de nada adianta ir a congressos e ficar conversando somente com o seu grupo. Conheça outras pessoas, procure saber o que elas fazem e por que elas também estão ali.

– Mande e-mails.
Não só para o seu possível orientador, que deve ser uma pessoa ocupadíssima, e que provavelmente não responderá seus primeiros contatos, mas também para os pós-docs do grupo, outros doutorandos e ainda, brasileiros que estão fora. Arrisque!

Muito importante: não estou dizendo para você fazer uma lista e mandar suas cartas como spam! Lembra-se do “conheça a instituição”? Mande textos personalizados e gaste um tempo escrevendo-os em inglês perfeito. Peça para algum amigo ler e corrigir suas cartas se preciso.

Caso algum professor não responda, espere uma semana e reenvie seu e-mail. Se notar que NINGUÉM te responde… repense no que escreveu – futuramente vou abordar exatamente este ponto – pode ser que seu texto esteja simplesmente sendo excluído. Sim, a vida é cruel para todos.

To leave or not to leave?

Para deixar as coisas um pouco mais complicadas, inscrever-se para uma vaga (“application”) custa caro. Mesmo que você consiga financiamento pelo Brasil (CsF, Capes, DAAD etc), muitas universidades cobram pelo processo seletivo e esse valor pode facilmente ultrapassar U$100,00 por application.

Fora exames, certificados, traduções, custos de correio e transporte que você terá. Sim, dá bastante trabalho, mas é por isso que estamos com esta coluna. Planejando tudo, as chances aumentam muito!

Bom, você já tem bastante por hoje. Faça uma lista dos grupos de pesquisa e universidades que tenham a sua área de interesse. Não se preocupe com valores, nem se limite a algum país. Pós-graduação ocupará um bom tempo da sua vida e esta busca te dará uma ideia de como o “mercado” está para você.

Semana que vem você encontrará aqui informações sobre os documentos e exames necessários.

Seria muito útil saber um pouco mais sobre quem estará acompanhando a coluna e possui interesse em cursar uma pós-graduação no exterior. Por isso, preparei um formulário, disponível logo abaixo.

Você também pode mandar suas dúvidas para vcaldas.pg arroba gmail.com e até a próxima!