Para muitas pessoas uma das maiores dificuldades na prova didática ou em apresentações é o domínio da oratória.

E com tanta competitividade e processos seletivos cada vez mais rigorosos é necessária a diferenciação dos profissionais pelos detalhes.

Falar bem transmite segurança e credibilidade a todos os que interagem com você.

E falar bem é treino!

Isso porque mesmo uma pessoa extrovertida, que a princípio parece possuir o dom da palavra, pode errar no uso da comunicação.

Por isso reunimos aqui algumas técnicas para não errar.

A comunicação corporal

É importante lembrarmos que a maior parte da nossa platéia estão nos olhando e avaliando o tempo todo.

Por isso é importante que você saiba controlar o seu corpo para que este reforce nossas palavras.

E principalmente, para que não distraia ou incomode nossos espectadores.

Portanto, é importante entendermos que:

VOZ + FALA + COMUNICAÇÃO CORPORAL = FORMA

CONHECIMENTO = CONTEÚDO

FORMA + CONTEÚDO (P)* = COMUNICADOR!!!

O bom comunicador apresenta uma forma eficaz e um conteúdo amadurecido ao se expressar em público.

Se pensarmos na forma e conteúdo, podem ocorrer as seguintes situações.

A pessoa que fala bem, mas possui um conteúdo fraco.

E por isso pode ser bem avaliada no final da apresentação caso o público não tenha um bom nível intelectual para julgar esse mesmo conteúdo.

Ou a pessoa que sabe muito de um assunto, tendo assim um excelente conteúdo, porém não se expressa bem.

E por isso pode ser tachada como um comunicador chato e não empolgar a plateia com suas ideias.

O fator (P)* – ‘Público’ – é essencial na avaliação da nossa performance como comunicador.

Então devemos falar pensando e analisando essa importante variável da comunicação.

Então pensando nisso tudo, para nos tornarmos bons comunicadores precisamos conhecer os princípios da oratória.

São três princípios que o bom comunicador deve se submeter se quiser que sua mensagem seja captada com clareza pelo ouvinte:

I – Na oratória, os detalhes fazem a diferença;
II – De vez em quando, tudo pode. Desde que não seja um erro grosseiro;
III – Tudo que se repete incomoda e/ou distrai o ouvinte.

Baseado nesses princípios vamos então as técnicas!

oratória

Técnica 1: Variação de voz e fala

Vale ressaltar aqui a importância de variar a voz.

O ideal para um comunicador é ter uma voz forte e alta para falar em público.

Apesar disso, o volume da voz deve ser adaptado ao tamanho da sala em que estamos falando.

Variar a voz, ou seja, falar alto e baixo no decorrer da apresentação, torna a transmissão da mensagem menos monótona e mais vibrante.

Essa variação da voz passa ao ouvinte a sensação de segurança do comunicador ao abordar o tema.

Além disso agrega credibilidade a nossa comunicação.

Quando pensamos na prova didática por exemplo, temos um tempo limitado para desenvolver a aula.

Sendo assim, prefira na maior parte do tempo falar numa velocidade mais rápida.

Mas atenção, é preciso que todos possam entender as palavras pronunciadas.

Além disso, existem momentos em que se podem fazer pausas na nossa fala.

Existem silêncios que dão ao público a oportunidade de refletir sobre o que falamos.

E isso tem um valor na nossa comunicação.

Produza sua fala com precisão.

Ou seja, realizando movimentos precisos dos lábios e língua ao emitir as palavras.

Isto significará uma boa dicção e facilitará ao interlocutor a captação da informação que se quer transmitir.

Técnica 2: Contato visual

O contato visual é muito importante porque prende a atenção do espectador.

Procure ter as seguintes atitudes em relação a essa técnica:

  • Enquanto estiver falando, distribua o olhar pelo público;

  • Segure o olhar por dois segundos em cada região da sala;
  • Fique atento às extremidades da sala;
  • Evite o olhar rápido, de forma a ter o olho perdido;

    Aos ouvintes mais próximos, olhe no olho.

    No caso de uma apresentação, em que o público está mais distante, olhe em qualquer ponto do rosto.

    Assim todos em volta também se sentirão olhados.

  • Não fixe o olhar em apenas um ouvinte ou região da sala.

    Principalmente quando estiver emitindo um julgamento.

  • Esteja preparado para ‘ver de tudo’ e continuar falando.

Técnica 3: Gesticulação

Outra técnica da oratória é a gesticulação.

Ou seja, expressar-se por meio de gestos representativos.

Gestos que combinem com o conteúdo da fala. S

Sendo assim, fique atento as seguintes aspectos:

  • Inicie a fala com os braços relaxados e aos poucos os levante;
  • Apoie as mãos no centro do corpo, na altura da barriga;
  • Apoie discretamente as mãos (evite rodar anel, mexer no relógio, estalar ou apertar dedos, esfregar as mãos);
  • O apoio ideal é abraçar uma mão na outra e variar esse abraço das mãos ou simplesmente encostar uma na outra;
  • Tenha cuidado com a caneta;
  • Deixe as mãos à disposição dos gestos, livres;
  • Não coloque as mãos no bolso;
  • Se for movimentar, movimente as duas mãos. Isso confere simetria aos gestos
  • Tenha cuidado com gestos obscenos;
  • Tenha em mente que a maior parte dos nossos gestos representativos não é planejada.

Técnica 4: Movimento/Postura

O corpo fala!

Dessa forma, cuidado com sua postura ao falar.

Mantenha a elegância e fique atento também às seguintes orientações:

  • Fale parado e às vezes saia do lugar enquanto fala;
  • Movimentar-se muito incomoda o ouvinte;
  • Os movimentos podem ser para frente, para trás, laterais e/ou diagonais;
  • Evite falar do fundo da sala;
  • Não se apoie em uma perna só, nem balance/dance enquanto fala.

Conhece alguma outra técnica de oratória? Compartilha aqui com a gente!