As expressões latinas são muito utilizadas nas normas de trabalhos acadêmicos e científicos.

E mesmo estando nos manuais de elaboração esta é uma das situações em que se percebe muitos erros na aplicação da norma.

Uma dessas expressões que vieram para tirar o juízo da gente é o et al. (assim mesmo sem itálico).

A abreviatura de et alii ou et alíus e outros variantes de gênero é proveniente da nossa língua materna, o latim e tem como função facilitar a menção a um conjunto de autores(as).

Pode não parecer, mas a ideia é essa, pasme!

No Dicionário Escolar Latino Português Faria (1962, p. 353) et é traduzida como ealíus/alii/ alia (p. 57) pode ser traduzida como e outros ou e outras.

O et al. é mencionado na Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT na NBR 6023/2002 que trata das referências bibliográficas para trabalhos acadêmicos em que se recomenda a utilização do recurso quando se efetuar a citação de texto escrito por mais três autores(as).

Neste caso deve-se indicar apenas o primeiro, acrescentando-se a expressão et al.

As únicas exceções para esta norma, de acordo com a ABNT são em casos específicos como projetos de pesquisa científica, indicação de produção científica em relatórios para órgãos de financiamento, etc. nos quais a menção dos nomes for indispensável para certificar a autoria em que fica facultado indicar todos os nomes  (ABNT, 2007, p. 14).

Em textos que se utiliza as normas da ABNT, no corpo do texto devemos escrever:

Chacon et al. (2012) destaca que as estratégias de enfrentamento de tais problemas começam a tomar novo rumo a partir da Lei Federal das Águas (…)

 Na lista de referências:

CHACON, Suely et al. Recuperação ambiental e revitalização de bacias. In: MAGALHÃES, Antonio Rocha. (Org.). A questão da água no Nordeste. Brasília: ANA/CGEE, 2012, p. 245-260.

OU

CHACON, S. et al. Recuperação ambiental e revitalização de bacias. In: MAGALHÃES, A. R. (Org.). A questão da água no Nordeste. Brasília: ANA/CGEE, 2012, p. 245-260.

Destaca-se a recente obrigatoriedade em algumas revistas ou recomendações por alguns/algumas orientadores(as) do uso do primeiro nome do(a) autor(a) como uma forma de superar a tradição de invisibilidade das mulheres enquanto pesquisadoras, já que quando não se sabia de quem era a autoria nos referíamos como o autor.

A norma da American Psychological Association – APA uma das mais usadas no Brasil e no mundo também indica o uso do et al.  e detalha como se deve fazê-lo.

No manual se indica o uso para trabalhos de múltiplos autores, mas no caso da APA, se o texto tiver de três a cinco autores(as) você deve usar na primeira citação o sobrenome de todos(as) e apenas nas subsequentes usar o et al. (APA, 2012, p. 203).

Já, se o trabalho tem uma ruma de gente seis ou mais autores desde a primeira chamada de citação deve-se escrever apenas com o sobrenome do primeiro autor seguido de et al. (APA, 2012, p. 203).

No manual de publicação da APA destaca-se explicitamente que não se deve usar itálico já que se trata de uma expressão ou abreviatura estrangeira comum em inglês (APA, 2012, p. 133).

Para usar et al. num manuscrito para periódico ou trabalho acadêmico com base nas normas da APA, deve-se citar a partir da 2ª citação de um mesmo trabalho ao longo do texto:

Leite et al. (2016) em seu estudo investigaram os sentidos atribuídos à saúde por homens da cidade de Natal/RN, em dois contextos…

Na lista de referências:

Leite, Jáder Ferreira, Dimenstein, Magda, Paiva, Rafaele, Carvalho, Lúcia, Amorim, Ana Karenina de Melo Arraes, & França, Aparecida. (2016). Sentidos da Saúde numa Perspectiva de Gênero: um Estudo com Homens da Cidade de Natal/RN. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(2), 341-353.

É assim esquisito mesmo e você achando que a ABNT era um saco complicada né!

OU

Leite, J. F., Dimenstein, M., Paiva, R., Carvalho, L., Amorim, A. K. M. A., & França, A. (2016). Sentidos da Saúde numa Perspectiva de Gênero: um Estudo com Homens da Cidade de Natal/RN. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(2), 341-353.

Se você é das Ciências da Saúde, provavelmente aquele periódico de Qualis A que você quer publicar usa o estilo de Vancouver, este é comum nas revistas biomédicas e surgiu de uma reunião de editores de periódicos médicos, em 1978, realizada em Vancouver, no Canadá, e mantido pelo Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas (PIZZANI; SILVA, s.d.)

O et al. nas normas de Vancouver em geral é usado apenas para mais de seis autores/editores.

Na norma Vancouver e NML eles permitem que o periódico escolha o limite de autores que podem ser citados nominalmente, sem uso do et al., ao longo do texto e lista de referências.

Caso deseje dar visibilidade ao nome do autor no texto você pode citar o sobrenome e ano.

Mas lembre-se que nesta norma o sistema de referência não é autor-data como nas listadas acima, mas sim o sistema numérico.

Esse sistema paranuê pode ser explicado como uma lista numerada de referências citadas de acordo com a ordem que aparecem no texto.

Dizem que também visa facilitar que quem revise ou leia o trabalho possa identificar mais facilmente as referências utilizadas pelo autor.

Assim, no Citando Medicina onde se encontra o Guia de Estilo NLM para Autores, Editores e Editores (2007), a citação no texto ficaria:

Sousa et al. (2018) enfatizam que 94,4% das jovens afirmaram ter interrompido os estudos em algum momento da vida, das quais 54,4% abandonaram os estudos.

Na lista de referências deve constar:

1. Sousa Carolina Rodrigues de Oliveira, Gomes Keila Rejane Oliveira, Silva Kamila Cristiane de Oliveira, Mascarenhas Márcio Dênis Medeiros, Rodrigues Malvina Thaís Pacheco, Andrade Jesusmar Ximenes et al. Fatores preditores da evasão escolar entre adolescentes com experiência de gravidez. Cad. saúde colet. [Internet]. 2018 Jun [citado  2018  Set  28] ;  26( 2 ): 160-169. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php script=sci_arttext&pid=S1414-462X2018000200160&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462×201800020461.

OU

1. Sousa CRO, Gomes KRO, Silva KCO, Mascarenhas MDM, Rodrigues MTP, Andrade JX et al. Fatores preditores da evasão escolar entre adolescentes com experiência de gravidez. Cad. saúde colet. [Internet]. 2018 Jun [citado  2018  Set  28] ;  26( 2 ): 160-169. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2018000200160&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462×201800020461.

Alguns lembretes

  • Et al. não provém do inglês…

    Às vezes encontramos um et all por aí ou alguém lendo como se fosse em inglês é latim, meu povo!

  • Precisamos ficar atentas(os) a grafia da abreviação que não deve ficar no texto em caixa alta – mesmo que dentro dos parênteses .

    E devemos inserir um ponto final depois do al. por se tratar de uma abreviação (nada de et. al., et. all, ET AL… et al.)

E aí, melhorou? Quais são suas dúvidas sobre ABNT, APA, Vancouver ou outras normas de publicação?

Deixe seu comentário e faremos um novo artigo sobre isso ou te indicaremos um já existente.

Se você leu até aqui merece uma xícara de café, chocolate, chá, et al.

Para saber mais:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

American Psychological Association. Manual de publicação da American Psychological Association. (6. ed., D. Bueno, trad.). Porto Alegre: Penso, 2012.

Pizzani, Luciana; Silva, Rosemary C. Elaboração de Referências Estilo Vancouver. Botucatu: UNESP, s.d.

NBCI – BOOKSHELF. Citing Medicine, 2nd edition.