Quando decidimos fazer o mestrado, muitas vezes abdicamos de outras coisitas por aí. Mas antes de você ser aprovado, você passa pela seleção. Sim, disso todos nós sabemos!

Se você caro amigo, como eu, optou por sair do seu trabalho apenas para se dedicar para seleção de mestrado, ai bruxo, a coisa pega fogo. Cobrança e fofoca rolam soltas.

Parece que a família não entende. Uns acham que você não quer mais trabalhar, se agora não trabalha, imagina depois. No meu caso, até tentei trabalhar e me preparar, mas não consegui. Acabei saindo do meu trabalho, só para tentar uma seleção do mestrado. É dose, heim!

Mas lidar com os questionamento da família eu diria que é chato mesmo. Mas entre conversas com amigos que estão na mesma caminhada, a coisa não foge muito da minha realidade. Acho que é geral. Todo mestrando, doutorando tem chatos na família que pegam no pé, insistem em falar por aí que você não faz nada além de estudar e claro, que não quer trabalhar.

 No caso de quem ainda está tentando seleção, como eu, além de lidar com sua ansiedade de querer muito passar na seleção, fora as leituras, escrita de projeto, e a tão chegada data, tem de lidar ainda com aqueles seus parentes chatos pra caramba que ficam perguntando: “Você não trabalha mais”? Ai você responde: “Estou me dedicando para passar na seleção de mestrado”. Ai o burro que me desculpa, responde assim: “Ahh já ta fazendo mestrado”. O parente, o tio entende tudo errado, ou leva para outro lado, “Hum, você só estuda…”.

 Vai dizer que não é chato! O seu desejo é não ver ninguém da sua família, pra ficar fazendo aquelas perguntas chatas: “Quando é a prova”, “E como foi no projeto”, “Quando sai o resultado”? Aff, que coisa chata! Haja paciência, e nessas horas meu filho é focar e dar um jeito de passar, porque senão a coisa pega fogo!

E ai, como são os parentes de vocês?