Em meu trabalho de assessoria estatística pra trabalhos acadêmicos é comum o pesquisador só procurar auxílio após a coleta de dados.

Como o instrumento de pesquisa não foi previamente definido, é possível que os dados estejam em diversos arquivos, documentos, ou pilhas de questionários de papel.

O primeiro passo de qualquer qualquer análise estatística, seja para realizá-la sozinho ou procurar um profissional habilitado, é organizar esses dados (não vamos abordar a importação em si aqui, e sim a formatação da base antes), e aí vem a dúvida: como fazê-lo?

Assim, apresento as instruções de organização de dados para um dos softwares estatísticos mais comuns, o SPSS (apesar de algumas dessas dicas serem gerais).

Como primeiro exemplo, utilizaremos uma base de dados que teria sido obtida por diversas aplicações do questionário a seguir:

Para a organização desses dados, damos as seguintes instruções:

1. Realize a tabulação de dados no excel, todos em uma mesma planilha

O excel é mais fácil de ser alterado e importado para o SPSS, logo não há necessidade de criar a base diretamente no software. É importante criar uma base única para todos os dados, sempre que possível.

2. Considere cada pergunta do questionário como uma variável

Preste a atenção que uma pergunta do questionário pode conter mais de uma variável. No nosso exemplo, temos 6 variáveis: Nome; Idade; Gênero; Renda; Informação de consumo do produto; Justificativa caso não consuma o produto.

3. Crie nomes curtos, simples, identificáveis, sem acentos e sem caracteres especiais, para cada variável

O ideal é que o nome da variável tenha até 12 caracteres. Ele não pode começar com um número, e de preferência não deve conter caracteres especiais, acentos nem espaços, mas pode conter o símbolo “_”.

Caso não estejam nesse formato, a sua base provavelmente será importada para o SPSS normalmente, mas o software pode cortar os seus últimos caracteres, criar um “rótulo” para a variável, ou outras situações que queremos evitar.

Para as nossas variáveis, demos os seguintes nomes:
Nome = Nome
Idade = Idade
Gênero = Genero
Renda = Renda
Informação de consumo do produto = Consome
Justificativa caso não consuma o produto = Consome_Pqnao

4. Crie códigos numéricos para as respostas categorizadas das variáveis, e um índice para não esquecer sua correspondência

É interessante para alguns cálculos do SPSS (como testes de proporção) que as respostas das variáveis sejam “numéricas”, mesmo que na realidade correspondam a uma categoria.

Então criaremos um dicionário de variáveis, e corresponderemos as respostas a números, quando necessário:

Gênero = Genero
Masculino = 0
Feminino = 1

Renda = Renda
Alternativa a = 0
Alternativa b = 1
Alternativa c = 2
Alternativa d = 3

Informação de consumo do produto = Consome
Não = 0
Sim = 1

5. Cada variável será incluída em uma COLUNA, e além delas, será criada a variável ID

É importante criar uma variável de identificação, que numerará as unidades pesquisadas. O Nome não é uma boa variável para isso, pois podem haver questionários anônimos, nomes repetidos, ou outras situações.

Caso tenha questionários de papel, o ID criado pode ser anotado nele. Independente do assunto abordado pela pesquisa, essa será uma variável útil.

6. Cada unidade pesquisada será preenchida em uma LINHA diferente

Apresentamos o exemplo de preenchimento a seguir, sendo a primeira linha representada pelo questionário preenchido na primeira figura.

Esses passos já são suficientes para criar uma base de dados útil e organizada. Aqui, você já tem uma base de dados ideal para importação e análise no SPSS, que era o nosso objetivo.

Exemplo extra: Em muitas situações, medimos uma mesma variável mais de uma vez, num mesmo indivíduo. Sugerimos então a criação de duas bases, com os mesmos dados, em diferentes formatos. Dependendo da análise a ser feita, você pode usar uma base ou outra.

Seguem os formatos sugeridos:

Questionário:

1ª base de dados:

2ª base de dados:

Essas sugestões podem ser óbvias para alguns, mas não para os que tem menos contato direto com o SPSS. Por fim, pense nas suas necessidades individuais e sinta-se confiante em fazer pequenas modificações quando tiver prática nesse processo.