Antes de começar a leitura deste texto sobre Material e Métodos, é necessário que você tenha em mente duas ressalvas importantes:

1. Não existe uma “receita pronta” para escrever a seção Material e Métodos que dará certo em todos os trabalhos. Utilize estas dicas apenas como um ponto de partida ou como um ponto de reflexão, e procure trabalhos de qualidade na sua área de pesquisa para observar como essa seção foi escrita. A principal dica para escrever bem é ler bastante, sobretudo com atenção na estrutura de redação utilizada.

2. As dicas para escrever a seção Material e Métodos a seguir se aplicam principalmente à área das Ciências Experimentais porque… é a área de trabalho de todo mundo por aqui. Mas colocamos o blog a disposição para colaborações sobre como escrever o Material e Métodos em outras áreas. Basta nos encaminhar o texto que publicaremos com prazer!

Feitas as ressalvas, antes de começar a discussão sobre como escrever a seção Material e Métodos, é preciso que você entenda por quê o seu trabalho acadêmico precisa de uma seção Material e Métodos.

A importância da seção Material e Métodos

Em um projeto de pesquisa, a seção Material e Métodos é um planejamento detalhado sobre tudo o que será realizado na sua pesquisa. Deve possuir tal nível de detalhamento que se o projeto for entregue para outra pessoa, ela deve conseguir executar a pesquisa exatamente da mesma forma que você executaria (Vianna, 2001).

Além disso, um Material e Métodos bem escrito em um projeto de pesquisa já é meio caminho andado para a redação do trabalho final.

Já no trabalho acadêmico, esta seção possui duas funções importantes: permitir a replicabilidade do trabalho e tirar dúvidas sobre os resultados encontrados (Lakatos e Marconi, 2010).

Ao fazer uma pesquisa, você formulou uma pergunta interessante, não encontrou a resposta na literatura científica, então elaborou uma hipótese e realizou uma pesquisa para testar essa hipótese. A resposta que você encontrou – ou seja, os resultados da pesquisa – entretanto, será aceita pela comunidade científica apenas se outros pesquisadores também encontrarem os mesmos resultados (Santos, 2015).

E, para isso, os outros pesquisadores da sua área precisarão entender exatamente como a sua pesquisa foi realizada, para que seja possível reproduzi-la fielmente.

A seção Material e Métodos pode também ajudar ao leitor a compreender melhor os resultados encontrados, pois diferentes métodos de coleta de dados podem resultar em escalas ou amplitudes diferentes. Alguns resultados também podem ter sido influenciados pelo procedimento adotado durante a pesquisa (Andrade, 2014).

Escrevendo a seção Material e Métodos

O professor Gilson Volpato, um dos pensadores mais respeitados na área de redação científica, recomenda dividir a redação da seção Material e Métodos em quatro etapas:

1. Descrição do sujeito ou do objeto de estudo
Estudos com animais ou outros organismos devem começar com a caracterização e a procedência destes, e os critérios de inclusão/exclusão utilizados na composição da população ou da amostra. Estudos realizados a campo devem conter a localização exata e caracterização do local onde a pesquisa foi realizada.

2. Delineamento da pesquisa
Descrever o tipo de estudo realizado, o delineamento da pesquisa, os tratamentos utilizados, as estratégias utilizadas na composição dos tratamentos, o tamanho da amostra, e o número de repetições. Questões éticas ou de consentimento, quando necessárias, também devem ser informadas.

3. Procedimentos específicos
Em seguida, faça a descrição, preferencialmente em ordem cronológica, dos procedimentos que serão (projeto)/foram (trabalho) utilizados na pesquisa, o manejo utilizado, o controle das condições experimentais, as técnicas de coleta de dados, as avaliações realizadas, as variáveis analisadas.

4. Análise dos dados
Relacionar os testes estatísticos que serão (projeto)/foram (trabalho) utilizados na análise dos dados (testes de normalidade, homocedasticidade, variância, comparação de médias, etc), indicando sempre os valores de referência de significância de cada teste.

Outras questões sobre seção Material e Métodos

Deve-se procurar ser minucioso, sem cair no exagero do detalhamento de métodos padronizados e já consagrados, procurando seguir sempre do geral para o específico (Barros e Lehfeld, 2007).

Alguns autores abusam do recurso “realizado de acordo com a metodologia proposta por Fulano et al., 2017“.

Para entender esses trabalhos é necessário a leitura de outros dez trabalhos, nem sempre de fácil acesso!

Por isso, mantenha a citação de autoria, mas descreva o procedimento no próprio trabalho (Medeiros e Tomasi, 2008). Lembre-se da replicabilidade do trabalho!

Apesar de ser muito comum em algumas áreas e exigido em alguns periódicos, a descrição do software estatístico utilizado tem sido debatido por vários autores, no sentido de que se os cálculos foram realizados no papel, no Excel ou no R, desde que realizados corretamente, o resultado é válido.

Diferenças pontuais, em casas decimais, entre softwares estatísticos não justificam questionamentos quando os resultados encontrados são robustos (Vianna, 2001).