Trabalhar com estilos no Word é uma daquelas tarefas que você já deveria ter aprendido faz tempo.

Se você está começando a escrever ou já está a todo vapor na fase da escrita, é bom aprender essas dicas desde já. Ela poupará um tempo precioso na hora de finalizar seu arquivo para impressão ou para submissão ao periódico.

Então aproveite enquanto é tempo – depois, já será tarde demais!

Nesse tutorial, você aprenderá:
Quer aprender as novidades da lista? Então, vamos começar – pelo fim!

O que são estilos?

Na diagramação de todo texto, existem diferentes hierarquias de elementos textuais.

Em textos mais longos – como artigos, dissertações e teses – é importante que eles estejam diferenciados nitidamente.

Dê uma olhada no exemplo a seguir:

Em milissegundos, os olhos do leitor já sabem exatamente qual caminho percorrer. Não resta nenhuma dúvida sobre a organização das informações, o que é tratado em cada ponto da página e por onde começar a ler. Em termos de apresentação visual, esse tratamento tipográfico é fundamental para a experiência de leitura.Antes de colocar a mão na massa, é importante pré-determinar uma estrutura lógica para os estilos. Para isso, tente responder essa pergunta: Quais tipos diferentes de texto preciso usar na minha dissertação/tese/artigo/etc.?Pessoalmente, gosto de trabalhar com a seguinte divisão:

  • Título de capítulo (p.ex.: 1. Fundamentos teóricos)
  •  Título de seção (p. ex.: 1.1 Premissas epistemológicas)
  •  Título de subseção (p. ex.: 1.2.1. Debates e dilemas do estruturalismo)
  •  Parágrafo (p. ex.: o corpo do texto principal)
  • Nota de rodapé
  •  Legenda de figuras, tabelas e gráficos: (p. ex.: Figura 3: Dados coletados por Fulano et al. (2000) )

É claro que essa estrutura depende muito da natureza do seu texto que, por sua vez, pode variar de acordo com a metodologia do seu trabalho e a sua área. Sinta-se livre para criar ou suprimir estilos conforme suas necessidades pessoais!

Atenção: Essas dicas estão baseadas em Word 2007-2010. Em geral, os comandos não variam muito, mas você pode encontrar pequenas divergências de caminhos e menus. Nesse caso, faça jus ao seu ofício de pesquisador(a) e encontre os equivalentes no seu software!

Bom, vamos logo ao que interessa: como configurar estilos no Word.

Como configurar estilos?

Encontre o menu de estilos no Word. Provavelmente ele está bem na sua cara. Clique naquela setinha sutil localizada no canto inferior direito do menu.

Você abrirá uma caixa lateral contendo vários estilos disponíveis no Word:

Você pode tentar editar qualquer um deles se você é dessas pessoas que gostam de sair fuçando em tudo e descobrir as coisas sozinho. Mas isso geralmente deixa os conjuntos de estilos bagunçados e, por isso, não é muito recomendável para quem ainda não sabe onde está pisando.

Como criar um novo estilo?

Na barra lateral que você acabou de abrir, clique em um botão chamado “Novo Estilo”. É o primeiro botão à esquerda na parte inferior da barra. Veja:

Ao clicar nesse botão, uma caixa com as opções de formatação de fonte e parágrafo mais frequentes se abrirá. Algo mais ou menos assim:

Dê um nome para o seu estilo novo. Por enquanto, deixe os demais campos da caixa “Propriedades” sem alterações. Depois você poderá experimentar outras possibilidades.

O importante no momento é mexer nos parâmetros da caixa “Formatação”. Ali, você reconhecerá facilmente o menu de fontes, os botões de negrito, itálico e sublinhado, a seleção de cores, o alinhamento e o espaçamento do parágrafo. Logo depois, há um preview do estilo.

Uma providência prática é checar as opções “Adicionar à lista de Estilos Rápidos” e “Novos documentos baseados nesse modelo”. Não é algo obrigatório, mas agiliza o uso dos estilos, principalmente se você pretende reutilizá-los diversas vezes em textos futuros.

Nessa tela, você encontra os comandos mais comuns – aqueles que todo mundo conhece. Porém, quero destacar duas configurações decisivas para a eficiência dos estilos: espaçamento entre parágrafos e recuo de parágrafo. Elas podem ser controladas com esses botões aqui:

Se você quer controlar o recuo do parágrafo ou deixá-los menos esmagados, é absolutamente indispensável utilizar esses comandos. Dessa maneira, você evita ficar apertando “TAB” e “Enter”, o que comprovadamente é o método mais desastroso de posicionar parágrafos em uma página.

Como alterar um estilo já existente?

Se você reparou bem, o Word já dispõe de um número considerável de estilos prontinhos. Usar essa lista seria infinitamente mais prático, mas nem sempre as formatações não coincidem  com aquilo que você precisa.

O que fazer?

Alterar um estilo é fácil. Basta clicar com o botão direito sobre o nome do estilo, seja na Faixa de Opções, seja na Barra Lateral de Estilos: ambos funcionam.

No menu que se abre, clique na opção “Modificar” e você verá a tela abaixo. Aí, é só personalizar da maneira que você preferir e ser feliz.

Inserindo indentação

Em 95,765899% dos textos impressos, a primeira linha de um parágrafo começa com um recuo um pouco maior do que as demais. O nome disso é indentação e você deve estar se perguntando como configurá-la dentro dos estilos.

É muito simples.

Clique no botão “Formatar” e em seguida na opção “Parágrafo…”. Você deverá ver essa tela:

Na caixa “Recuo”, encontre o menu “Especial” e selecione a opção “Primeira linha”.

Em seguida, selecione o tamanho da indentação na caixa “Por:”. Assim como na tela anterior, aqui você também pode visualizar as alterações em um preview.

OK, perfeito. Agora volte para o seu texto e faça o teste.

Selecione diferentes elementos textuais e aplique o estilo pertinente clicando na caixa disponível ali em cima na Faixa de Opções.

Pronto! Agora todo o texto selecionado tem rigorosamente a mesma formatação.

Quais são as vantagens de usar estilos?

Você ainda pode estar se perguntando se vale a pena ter todo esse trabalho para configurar estilos. Há motivos claros e práticos para se valer desse recurso:

Criação de modelos estáveis: uma das vantagens é poder automatizar tarefas padronizadas que inevitavelmente irão se repetir na sua vida acadêmica. Você inevitavelmente irá escrever mais artigos, fichamentos, tese ou seja lá o que mais vier pela frente. E nesse momento, é bom ter todas essas formatações já prontinhas e não precisar ficar pensando nelas a cada vez que você abre o Word.

Controle total de formatação: geralmente, as universidades e periódicos acadêmicos já têm esses parâmetros pré-determinados. Caso os padrões exigidos sejam diferentes daqueles com que você estava trabalhando, basta modificar o estilo já existente. Você pode configurar os estilos de acordo com as indicações e depois só aplicar tudo com um único clique. Menos tempo gasto pensando em formatação, mais tempo dedicado para a essência do texto!

Gerar sumário automático: você não precisa ficar selecionando seção por seção, subseção por subseção, título de capítulo por título de capítulo. A chance de cometer algum erro dessa maneira é imensa. Em vez disso, basta ir até o menu “Referências” > “Sumário” > “Inserir Sumário” e ser feliz! Esse comando irá procurar pelo documento todos elementos textuais formatados com os estilos de título e construir o sumário com a numeração de páginas automática.

Algumas dicas finais

  • Tome cuidado com texto colado de outras fontes. Quando você dá o famoso Ctrl-C, você não está copiando somente o trecho. Certifique-se de habilitar a opção “Manter somente texto”. Além disso, estilos importados de arquivos diferentes porém com o mesmo nome podem resultar em conflito.

  • Uma ideia interessante é trabalhar com os Conjuntos de Estilos. Você pode configurar famílias de estilos e reservar cada uma delas para uma finalidade específica (periódico X, Y ,Z, normas de teses da universidade, textos não-acadêmicos, etc.)
  • Não fique alterando manualmente a formatação do texto. Em pontos isolados, isso é justificável. Mas se você perceber que precisa fazer alterações com frequência, então é melhor criar um novo estilo especificamente para esses casos.
  • Utilize contraste. Não deixe o título de capítulo com fonte 14, o título de seção com fonte 13 e o corpo do texto com fonte 12.  Quando o contraste não é suficientemente marcado, o leitor pode ficar confuso e até mesmo achar que foi um erro de formatação. Uma regrinha simples e fácil é colocar subtítulos com uma fonte pesada em negrito e em corpo de fonte tamanho maior do que o do texto corrido – algo entre 2 e 4 pontos dá conta do recado.