Nunca foi tão fácil para os pós-graduandos brasileiros realizarem seus estudos no exterior. Com o programa “Ciência sem fronteiras”, criado pelos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento (CNPq e Capes), as possibilidades de realizar um doutorado sanduíche ou até mesmo um doutorado pleno em outro país ficaram maiores.

Entretanto, muitos profissionais ainda possuem um pouco de receio em estudar no exterior, ou até mesmo dúvidas se a empreitada vale mesmo a pena. Desta forma, elencamos alguns pontos positivos de uma pós-graduação no exterior que podem auxiliá-lo na sua tomada de decisão.

1. Criar uma nova visão da ciência e do mundo acadêmico
Conhecer a estrutura, a organização e a rotina das universidades estrangeiras, bem como discutir ciência com pesquisadores com uma formação acadêmica e cultural distintas das nossas pode ajudá-lo a fazer uma autocrítica da ciência brasileira, tornando-o um professional mais maduro e consciente dos problemas e das possíveis soluções da nossa ciência.

2. Conhecer novas técnicas de pesquisa
É possível aprender novos protocolos, novos métodos de pesquisa e, principalmente, discutir as técnicas já existentes por um ângulo completamente diferente. Existe a possibilidade de encontrar conceitos ou tecnologias que ainda não são empregados por aqui, ou então novos usos para os já empregados atualmente.

3. Network profissional
Os contatos profissionais realizados no exterior poderão “abrir portas” para futuras parcerias, colaborações e intercâmbios com universidades e pesquisadores estrangeiros, novas titulações acadêmicas no exterior ou apenas manter-se informado sobre os caminhos da pesquisa no seu campo do conhecimento em diferentes lugares.

4. Melhorar sua proficiência em outro idioma
Estudar no exterior ainda é a melhor maneira de aprender outro idioma. Não há nada melhor e mais eficaz que estar em contato direto com o país em que se fala o idioma que deseja aprender, cercado pela linguagem em uma base diária, além de ouvir as expressões no próprio contexto cultural.

5. Motivação maior
Como tudo é novidade, sua motivação para estudar, pesquisar e produzir costuma ser bem maior do que quando estamos “acomodados” em uma instituição onde já conhecemos tudo e todos. Haverá também uma grande vontade, às vezes até subconsciente, de “mostrar serviço” ou de causar uma boa impressão, o que aumentará sua dedicação. E a vantagem desta dedicação toda é o maior crescimento profissional e o menor estresse com as situações acadêmicas cotidianas.